Buscar el ultimo lugar

"Invece quando sei invitato, và a metterti all'ultimo posto, perché venendo colui che ti ha invitato ti dica: "Amico, passa più avanti". Lc 14, 10

Mas, quando fores convidado, vai tomar o último lugar, para que,quando vier o que te convidou, te diga: “Amigo, passa mais para cima.” Lc 14, 10

Hno. Mariosvaldo Florentino

Agosto - Domingo 28

"Cuando seas invitado, ve y siéntate en el último lugar, para que cuando llegue el que te invitó, te diga: "Amigo, ven más adelante" LC 14, 10

El evangelio de este domingo toca un tema muy delicado y al mismo tiempo esencial en la vida cristiana: la humildad.

Cristo es para todos nosotros el ejemplo supremo de humildad, pues siendo Dios no tuvo problema en rebajarse y hacerse uno de nosotros (y además en una familia pobre) asumiendo toda nuestra condición y hasta aceptando ser considerado y condenado como un criminal.

Por esto, el bajarse es la dirección indicada para todos nosotros que queremos ser sus seguidores. Aprovecharse del cristianismo como un modo de promoverse es una gran equivocación. Jesús nos empuja para los últimos lugares. Él nos ofrece su puesto de servidor, de quien esta dispuesto a lavar los pies de los demás con placer.

Una vez más nos encontramos con el Señor que nos propone una actitud no natural en nosotros. Si seguimos nuestra naturaleza, preferimos estar en el primer puesto o ser servidos por los demás. Cada uno de nosotros siempre se siente muy importante y desea que todos reconozcan esto. Es así que nacen muchas decepciones. Cuantas personas quedan tristes y amargadas porque no se sienten valorizadas, apreciadas y reconocidas en sus capacidades, o nivel, o títulos...

Sin embargo, creo que es muy importante hacer algunas distinciones. Al menos por tres motivos una persona puede ocupar el último puesto: porque no le dejaron ir más adelante, o porque vencida por la timidez no tuvo el coraje de colocarse allí aunque lo deseaba mucho, o porque por opción se eligió aquel puesto. En cuanto al primer caso en que el último puesto viene asignado por motivos externos, este no da algún valor evangélico, al contrario puede ser motivo de vergüenza. En cuanto al segundo, es muy importante no confundir la virtud de la humildad con la timidez. Existen personas que siempre se meten en el último puesto o se esconden por que son tímidas, pero en su interior desean ser diferentes, conviven con una amargura, y se quedan destilando veneno hacia los demás. Ciertamente este último puesto tampoco tiene un valor evangélico, de hecho no es una actitud cristiana, a pesar de ser el gesto lo mismo, todavía la motivación es totalmente distinta.

Para que una persona pueda tranquilamente colocarse al último puesto, ella necesita estar muy segura de sí misma. Necesita ser verdaderamente dueña de sí. (Como Cristo, para él no fue un problema hacerse el último). Una persona insegura, al contrario, difícilmente conseguirá colocarse espontáneamente atrás de los demás. Esto será para ella una violencia demasiado fuerte. Tendrá miedo de ser olvidada, o de ser despreciada. Hacer la opción de ubicarse en el último puesto, y vivirlo con paz y serenidad, exige sin dudas una buena auto-estima.

Pero ¿de donde puede venir nuestra seguridad? Pienso que cuando nos sentimos verdaderamente amados por Dios, nos sentimos seguros. Insisto en decir "nos sentimos amados", pues no basta saber que Dios nos ama, es necesario haber experimentado este amor, reconociéndolo sin límites e incondicionalmente. Es este sentirse importante para Dios, precioso a sus ojos, destinatario de su confianza que nos libera de la necesidad de buscar los primeros puestos.

Delante de los demás, sentir que el Señor de todas las cosas tiene una mirada cariñosa hacia nosotros nos hace relativizar cualquier desprecio por parte de los hombres. Cuando sentimos esta seguridad, sabemos que este último puesto es pasajero, no es para siempre. Sabemos que en cualquier momento el Señor, dueño de la fiesta, nos dirá: "Amigo, ven más adelante". Por tanto, colocarse al último puesto es una viva expresión de nuestra fe en Dios, Señor de la historia, que exalta los humildes y derrumba los soberbios.

Señor, hazme sentir profundamente tu amor. Sana mis inseguridades. Dame la gracia de tener una profunda confianza en ti, a fin que yo sepa que no necesito promoverme, porque eres tu quien me promoverá si tengo el coraje de bajarme. Convence mi corazón de que yo no necesito defenderme, porque tú eres mi defensor.

El Señor te bendiga y te guarde,

El Señor te haga brillar su rostro y tenga misericordia de ti.

El Señor vuelva su mirada cariñosa y te dé la PAZ.

Il vangelo di questa domenica tocca un tema molto delicato e allo stesso tempo essenziale per la vita cristiana: l'umiltà. Cristo è per tutti noi l'esempio supremo di umiltà, perché essendo Dio non ha avuto nessun problema ad abbassarsi e farsi uno di noi e, inoltre, in una famiglia povera assumendo tutta la nostra condizione e accettando di essere considerato e condannato come un criminale.

Per questo, l'abbassarsi è la direzione indicata per tutti noi che vogliamo essere i suoi seguaci. Approfittare del cristianesimo come un modo di elevarsi è un grande equivoco. Gesù ci spinge verso gli ultimi posti. Egli ci offre il suo posto di servitore, di colui che è disposto alavare i piedi agli altri con piacere.

Un'altra volta ci troviamo col Signore che ci propone un atteggiamento non naturale per noi. Se seguiamo la nostra natura, preferiamo stare al primo posto o essere serviti dagli altri. Ognuno di noi si sente sempre molto importante e desidera che tutti gli riconoscano questo. È così che nascono molte delusioni. Quante persone rimangono tristi ed amareggiate perché non si sentono valutate, apprezzate e riconosciute per le proprie capacità, o per il livello, o per i titoli...

Tuttavia, credo che sia molto importante fare alcune distinzioni. Ci sono almeno tre motivi perché una persona possa occupare l'ultimo posto: perché non lo lasciano andare più avanti , o perché vinto dalla timidezza non ha quel coraggio per andare avanti nonostante lo desideri molto; o perché per scelta ha deciso quel posto. Quanto al primo caso in cui l'ultimo posto viene assegnato per motivi esterni, questo non ha nessun valore evangelico, anzi al contrario può essere motivo di vergogna. Quando al secondo caso, è molto importante non confondere la virtù dell'umiltà con la timidezza. Esistono persone che si mettono sempre all'ultimo posto o si nascondono perché sono timide, ma nel loro intimo desiderano essere differenti, convivono con un'amarezza e rimangono indietro covando rancore per gli altri. Certamente anche questo non ha un valore evangelico, in realtà non è un atteggiamento cristiano, nonostante quel mettersi all'ultimo posto possa sembrare umiltà, possiede una motivazione completamente distinta...

Affinché una persona possa collocarsi tranquillamente all'ultimo posto, ella deve essere molto sicura di sé stessa. Deve essere veramente padrona di sé, come Cristo: per lui non fu un problema farsi l'ultimo. Una persona insicura, al contrario, riuscirà difficilmente a collocarsi spontaneamente dietro agli altri. Ciò sarà per lei una violenza troppo forte. Avrà paura di essere dimenticata, o di essere disprezzata. Fare la scelta di collocarsi a quell'ultimo posto e viverlo con pace e serenità, esige senza dubbio un buona autostima.

Ma da dove può venire la nostra sicurezza? Penso che quando ci sentiamo davvero amati da Dio, ci sentiamo sicuri. Insisto sul dirci "sentiamo amati", perché non basta sapere che Dio c'ama, è necessario avere sperimentato questo amore, riconoscendolo senza limiti ed incondizionato. È questo sentirsi importante per Dio, prezioso ai suoi occhi, destinatario della sua fiducia, che ci libera dalla necessità di cercare i primi posti.

Davanti agli altri, sentire che il Signore di tutte le cose ha una sguardo affettuoso verso noi, ci fa superare qualunque disprezzo da parte degli uomini. Quando sentiamo questa sicurezza, ci rendiamo conto che questo ultimo posto è passeggero, non è per sempre. Sappiamo che in qualsiasi momento il Signore, padrone della festa, ci dirà: "Amico, passa più avanti."Pertanto, collocarsi a quell'ultimo posto è una viva espressione della nostra fede in Dio, Signore della storia che esalta gli umili e sconfigge i superbi.

Signore, fammi sentire profondamente il tuo amore. Sana le mie insicurezze. Dammi la grazia di avere una profonda fiducia in te, affinché io sappia che non devo elevarmi, perché sei tu che mi eleverai se ho il coraggio di abbassarmi. Convinci il mio cuore che io non devo difendermi, perché tu sei il mio difensore.

Il Signore ti benedica e ti protegga,

Faccia risplendere il suo volto su di te e ti doni la sua misericordia.

Rivolga su di te il suo sguardo affettuoso e ti doni la sua Pace.

O evangelho deste domingo toca um tema muito delicado e ao mesmo tempo essencial na vida cristã: a humildade. Cristo é para todos nós o exemplo supremo de humildade, pois sendo Deus, não teve problema em se rebaixar e se fazer um de nós (e ainda mais em uma família pobre) assumindo toda a nossa condição e até mesmo aceitando ser considerado e condenado como criminoso.

Por isso, o abaixar-se é a direção indicada para todos nós que queremos ser seus seguidores. Aproveitar o ser cristão como um modo de se promover é um grande equívoco. Jesus nos empurra para os últimos lugares. Ele nos oferece seu lugar de servidor, de quem está disposto a lavar os pés dos demais com prazer.

Uma vez mais nos encontramos com o Senhor que nos propõe uma atitude não natural em nós. Se seguimos nossa natureza, preferimos estar no primeiro lugar ou sermos servidos pelos demais. Cada um de nós sempre se sente muito importante e deseja que todos reconheçam isto. É assim que nascem muitas decepções. Quantas pessoas ficam tristes e amarguradas porque não se sentem valorizadas, apreciadas e reconhecidas em suas capacidades, ou nível, ou títulos...

Sem dúvidas, acredito que seja muito mais importante fazer algumas distinções. Ao menos por três motivos uma pessoa pode ocupar o último lugar: porque lhe deram um lugar mais adiante, ou porque vencida pela timidez não teve a coragem de se colocar mais à frente, ainda que o desejasse muito, ou porque por opção se escolheu aquele lugar. Quanto ao primeiro caso, em que o último lugar vem designado por motivos externos, este não há algum valor evangélico, ao contrário, pode ser motivo de vergonha. Quanto ao segundo, é muito importante não confundir a virtude da humildade com a timidez. Existem pessoas que sempre se metem no último lugar ou se escondem porque são tímidas, mas em seu interior desejariam ser diferentes, convivem com uma amargura e ficam destilando veneno contra os demais. Certamente este último lugar tampouco tem um valor evangélico, de fato, não é uma atitude cristã, apesar do gesto ser o mesmo, as motivações são totalmente distintas...

Para que uma pessoa possa tranquilamente se colocar no último lugar, ela necessita estar muito segura de si mesma. Necessita ser verdadeiramente dona de si. (Como Cristo, pois para ele não foi um problema se fazer o último). Uma pessoa insegura, ao contrário, dificilmente conseguirá se colocar espontaneamente atrás dos demais. Isto será para ela uma violência demasiadamente forte. Terá medo de ser esquecida, ou de ser depreciada. Fazer a opção de se colocar no último lugar, e vier com paz e serenidade esta posição, exige com certeza uma boa auto;estima.

Mas de onde pode vir a nossa segurança? Penso que quando nos sentimos verdadeiramente amados por Deus, nos sentimos seguros. Insisto em te dizer “nos sentimos amados”, mas não basta saber que Deus nos ama, é necessário ter experimentado este amor, reconhecendo-o sem limites e incondicional. É este sentir-se importante para Deus, precioso a seus olhos, destinatário de sua confiança, que nos liberta de buscar os primeiros lugares.

Diante dos demais, sentir que o Senhor de todas as coisas tem um olhar carinhoso para nós nos faz relativisar qualquer desprezo por parte dos homens. Quando sentimos esta segurança, sabemos que este último lugar é passageiro, não é para sempre. Sabemos que a qualquer momento o Senhor, dono da festa, nos dirá; Amigo, vem mais para frente. Portanto, colocar-se no último lugar é uma viva expressão de nossa fé em Deus, Senhor da história, que exalta os humildes e derruba os soberbos.

Senhor, faz-me sentir profundamente o teu amor. Cura minhas inseguranças. Dá-me a graça de ter uma profunda confiança em ti, a fim que eu saiba que não necessito promover-me, porque és tu quem me promoverá se tenho a coragem de me abaixar. Convence meu coração de que eu não necessito defender-me, porque tu és o meu defensor.

Que o Senhor vos abençoe e vos guarde.

Que o Senhor mostre a sua face e vos seja favorável!

Que o Senhor volva o seu rosto misericordioso e vos de a paz.

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales