"Señor, ¿a quién iríamos? Tú tienes palabras de vida eterna." (Jn 6, 59-71)

"Le parole che vi ho detto sono spirito e vita." Gv6, 63

"As palavras que eu vos disse são espírito e vida." Jo 6, 63

Hno. Tomás Sosa

Agosto - Viernes 21

Este domingo el texto del santo evangelio es muy fuerte. Nos habla de una experiencia presente también en nuestras vidas. Después del gran discurso de Jesús sobre el "PAN DE LA VIDA", muchos empezaron a dudar si deberían o no seguirlo. Aquellas palabras "Yo soy el Pan Vivo" o "Mi carne es verdadera comida" o aun "quien come de este pan vivirá para siempre" provocaron en los seguidores de Jesús un gran trastorno. Muchos pensaban que esto no podía ser verdad y empezaron a abandonar al Señor.

Ciertamente pensaban: ¿Cómo alguien puede dar su carne como alimento? ¿Cómo alguien puede prometer vida eterna? Realmente estas preguntas son muy difíciles de contestar si nosotros en primer lugar no reconocemos quien es Jesús. Solamente cuando aceptamos que Jesús de Nazareth, que es el propio Dios que se hizo carne, entonces podemos comprender que Él es capaz de todo, que habla con autoridad y lo que dice es la verdad y no solamente una opinión.

Pero es muy interesante el procedimiento de Jesús. Al enterarse de las dudas, Jesús no los presiona, los deja libre. Los que quieran abandonarlo pueden hacerlo sin ningún problema. Seguirlo debe ser una decisión personal. Cada uno debe juzgar a partir de lo que vio, sintió y escucho.

Ellos ya habían visto a Jesús, sanar a muchos enfermos (paralíticos, mudos, leprosos...), habían escuchado hablar sobre la transformación del agua en vino, habían asistido la multiplicación de los panes... ahora ya podían juzgar si podían o no confiar en estas nuevas enseñanzas de Jesús sobre el "PAN VIVO".

Y nos dice el evangelio que "muchos de sus discípulos dieron un paso atrás y dejaron de seguirlo." También hoy son muchos aquellos que dan un paso atrás y abandonan el camino de Cristo, esto es la vida de la Iglesia. Pues algunos creen que la Iglesia propone una moral muy pesada. Otros se llenan de críticas, por problemas que muchas veces suceden y los usan para justificarse en su comodidad.

O que dan un paso atrás y ya no participan de la misa. Porque tienen otras cosas que hacer.

O porque dudan si es o no importante estar allí.

O dan un paso atrás y creen que recibir o no la eucaristía es la misma cosa. Que ven la sagrada ostia solamente como un pan bendecido, pero no como el cuerpo de Cristo, PAN VIVO BAJADO DEL CIELO, capaz de darnos VIDA.

Jesús al percibir que muchos se iban no pensó en cambiar su discurso, en hacer una propuesta más blanda, en negociar sus valores para conseguir más adeptos.

Jesús sabía que su propuesta era exigente. (Dios es amor, pero un amor que nos estira, no un amor que nos acomoda.) Por eso Jesús con mucha libertad pregunto a sus propios apóstoles: "Quieren dejarme también ustedes?" También esta pregunta hoy Jesús nos hace?. También tú quieres dar un paso atrás y abandonarme? Para nuestra suerte san Pedro dio una respuesta muy inspirada. "Señor, ¿a quién iremos? Tú tienes palabras de vida eterna." ¿a quién iremos?

Hoy más que nunca existen muchas propuestas de 'felicidad'.

Iremos a las sectas, donde todo parece muy fácil. Donde prometen curas, prosperidad y todas las soluciones sin exigir nada.

Iremos a las filosofías orientales que buscan darnos el gran equilibrio, introducirnos a la armonía universal y vivir muchas veces en una vida ilusoria que huye de la realidad y de la cruz.

Iremos a New Age, que nos enseña que todas las religiones son buenas y lo importante es no ser "miembro comprometido" de ninguna, pero agarrar lo bueno de todas.

Iremos al hedonismo, que nos quiere convencer que lo único importante es el placer. Que si me gusta debo hacer, sin importarme los demás, donde el único criterio soy yo mismo.

Iremos al liberalismo, donde las personas son importantes solo por lo que producen y no por lo que son, por eso no tiene lugar para los menos favorecidos, para la familia, para la amistad. Y podríamos ir a muchos otros.

Ciertamente todos estos caminos son capaces de proporcionar momentos felices, experiencias agradables, pero ninguno de ellos posee "Palabras de vida eterna".

Estas solo las tiene Jesús, el Hijo de Dios vivo.

Pero la opción es personal.

Jesús nos ama tanto que sería incapaz de llevarnos a la fuerza.

El Señor te bendiga y te guarde,

El Señor te haga brillar su rostro y tenga misericordia de ti.

El Señor vuelva su mirada cariñosa y te dé la PAZ.

Hno Mariosvaldo Florentino, capuchino

La conclusione del Capitolo 6 di San Giovanni che ci ha parlati dell'eucaristia e che abbiamo meditato le domeniche precedenti, ci presenta un momento molto particolare vissuto dai discepoli di Gesù. Davanti alle novità che Gesù insegnava loro ed anche davanti alle esigenze per seguirlo, molti di questi discepoli erano entrati in crisi ed incominciarono ad abbandonarlo. (“Molti dei suoi discepoli tornarono indietro e non andavano più con lui” - Gv 6, 66)

Gesù si rese conto di quello che stava succedendo, dei loro dubbi e delle loro mormorazioni e cercò di far loro capire che le sue parole, i suoi insegnamenti, le sue proposte non erano per illudere nessuno, nemmeno per far soffrire le persone, ma al contrario, quello che egli voleva era dare la vita vera a quella gente, far loro comprendere la realtà dell'essere umano e l'importanza della sua relazione con Dio. I valori evangelici, come l'amore, il perdono, la fedeltà, l'obbedienza, la carità, la rinuncia non volevano essere un peso per le persone, ma, al contrario, un'autentica liberazione dall'egoismo, dall'odio, dalla sfiducia, dall'orgoglio, dall'invidia...

Da quando l'uomo è stato ferito dal peccato originale, si è scomposto qualcosa nel nostro interno. La malvagità o il peccato ci sembrano attraenti. In un primo momento ci danno molta soddisfazione, tuttavia dopo ci lasciano un sapore amaro nella vita e pian pianino ci distruggono completamente. Le cose buone, molte volte, ci sembrano molto difficili ed esigenti. Per esempio: quando qualcuno per qualche motivo ci ferisce, subito l'alternativa che ci viene in forma semplice è di vendicarci. La vendetta sembra che ci dia un piacere immediato molto grande. Il perdono, al contrario, ci sembra una cosa molto difficile: ci costa molto più, perché significa rinunciare al "diritto" di vendicarsi. Ma, se riusciamo a guardare oltre la cosa immediata, scopriamo che la vendetta ci ruba qualcosa della vita, ci corrode all'interno, ci fa meno umani, mentre il perdono, ci umanizza, ci pacifica, ci armonizza. È per questo motivo che Gesù insiste: "Le parole che vi ho detto sono spirito e vita." Benché sembri un po' difficile all'inizio, è solo quando assumiamo le sue parole come un programma per le nostre vite che scopriamo quello che significa realmente vivere, essere liberi ed amare intensamente.

È vero che il suo messaggio è esigente e ci sfida ogni giorno presentandoci sempre situazioni più forti. Di fatto, assumere il vangelo è entrare in un profondo processo di umanizzazione, dove possiamo costruirci pian pianino, vincendo le inclinazioni naturali con i suggerimenti dello Spirito. Non posso smettere di ricordare alcuni bei esempi di persone che hanno assunto questo processo come: Francesco e Chiara di Assisi, Giovanni della Croce e Teresa D'Avila, Charles di Foucault e Madre Teresa di Calcutta. Essi sono state persone che hanno saputo vivere la vita con la forza dello spirito che ci regala le parole di Cristo.

Il Papa Benedetto XVI in un'intervista ci ha parlato, più o meno, della stessa cosa in relazione alla Chiesa. Molti accusano la Chiesa dicendo che è retrograda, che ha una morale molto severa, che non vuole permettere che le persone facciano quello che dà loro piacere, che non accetta che le persone si divertano, o che non vuole permettere l'avanzamento delle scienze. Vogliono creare l'idea che i cattolici sono chiamati a vivere nella tristezza, sempre amareggiati per non potere fare niente di quello ciò è "buono". Ed il Papa diceva che quello che la Chiesa più vuole è la felicità delle persone, ma non una finta felicità, non una felicità apparente o effimera, ma una felicità che nasca dal profondo dell'uomo che non deve nascondere niente, né usare menzogne. Come una madre che insiste, a volte fino con molta forza, affinché suo figlio piccolo, per esempio, impari sempre a lavare bene i suoi denti - anche quando non ha voglia - perché conosce le conseguenze del non farlo, così è la Chiesa quando c'insiste sulla pratica dei valori.

Allo stesso modo, Gesù ci lascia liberi di fare la nostra opzione personale. In realtà perfino ai suoi discepoli domandò loro: “Volete anche voi andarvene"? A quel tempo, Simon Pietro gli diede una risposta molto bella e giusta che forse può aiutare anche noi oggi: "Signore da chi andiamo? Solo tu hai parole di vita eterna."

A conclusão do capítulo 6 de São João, que nos falou sobre a eucaristia e que meditamos nos domingos anteriores, nos apresenta um momento muito particular vivido pelos discípulos de Jesus. Diante das novidades que Jesus lhes ensinava e também as exigências para segui-lo muitos desses discípulos entraram em crise e começaram a abandoná-lo . ( “Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com ele.”) Jo 6, 66

Jesus se deu conta do que estava acontecendo, de suas dúvidas e de suas murmurações e buscou fazer-lhes entender que suas palavras, seus ensinamentos, suas propostas não eram para iludir a ninguém, nem tampouco para fazer sofrer à pessoas, ao contrário, o que Ele queria era dar a vida verdadeira a esta gente, era fazer-lhes compreender a realidade do ser humano e a importância de sua relação com Deus. Os valores evangélicos, como o amor mútuo, o perdão, a fidelidade, a obediência, a caridade, a renúncia não queriam ser um peso para as pessoas, mas ao contrário, uma autentica libertação do egoísmo, do ódio, da desconfiança, do orgulho, e da inveja...

Desde que o homem foi ferido pelo pecado original, alguma coisa se descompôs em nosso interior. A maldade ou o pecado nos parecem atraentes. No primeiro momento nos dá muita satisfação, porém depois nos deixa um sabor amargo na vida e pouco a pouco nos destrói. Já, as coisas boas, muitas vezes nos parecem a primeira vista muito difíceis e exigentes. Por exemplo: quando alguém por algum motivo nos fere. Imediatamente a alternativa que nos vem de forma natural é vingar-nos. A vingança parece que nos da um prazer imediato muito grande. O perdão, ao contrário, nos parece uma coisa mais difícil. Nos custa muito mais, significa renunciar ao “direito” de vingança. Porém se conseguirmos olhar mas além do imediato, descobrimos que a vingança nos rouba algo da vida, nos corrói por dentro, nos faz menos homens, ao passo que o perdão nos humaniza, nos pacifica, nos harmoniza. É por isso que Jesus insiste: " As palavras que eu vos disse são espírito e vida." Mesmo que pareça um pouco difícil ao principio, é somente quando assumimos suas palavras como um programa para nossas vidas que descobrimos o que realmente significa viver, ser livres e amar imensamente.

É verdade que sua mensagem é exigente e nos desafia cada dia apresentado-nos situações sempre mais fortes. De fato, assumir o evangelho é entrar num profundo processo de humanização, onde podemos construir-nos pouco a pouco, vencendo as inclinações naturais com as sugestões do Espírito. Não posso deixar de recordar alguns lindos exemplos de pessoas que assumiram esse processo como: Francisco e Clara de Assis, João da Cruz e Teresa D'Ávila, Charles de Foucault e Madre Teresa de Calcutá. Eles foram pessoas que souberam pautar a vida com a força do espírito como nos apresentam as palavras de Cristo.

O Papa Bento XVI numa entrevista nos falava mais ou menos da mesma coisa em relação a Igreja. Muitos acusam que a Igreja é retrograda, de ter uma moral muito severa, de não quer permitir que as pessoas façam o que lhes da prazer, de não aceitar que as pessoas se divirtam , ou de não querer o avanço das ciências. Querem criar a idéia de que os católicos são chamados a viver na tristeza, sempre amargados por não poder fazer nada do que é “bom” . E o Papa dizia que o que a Igreja mas quer é a felicidade das pessoas, mas não uma maquiagem de felicidade, não uma felicidade só aparente e efêmera, mas sim uma felicidade que nasce do profundo do homem, que não necessita esconder nada, nem usar máscaras. Como uma mãe que insiste, as vezes com muita força para que seu filho pequeno, por exemplo, aprenda sempre a escovar os dentes - mesmo quando não tem vontade, porque conhece as conseqüências de não fazer-lo, assim é a Igreja quando nos insiste na vivencia dos valores.

De igual modo, Jesus nos deixa livres para fazer nossa opção pessoal. De fato até mesmo aos seus discípulos lhes perguntou: "Vocês também querem me deixar?" Naquele momento então, Simão Pedro lhe deu uma resposta muito linda que talvez possa nos ajudar ainda hoje: “Senhor, a quem iremos? Só tu tens palavras de vida eterna."

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales