“Yo soy la vid y ustedes las ramas. Si alguien permanece en mí, y yo en él, produce mucho fruto, pero sin mí no pueden hacer nada.” Jn 15, 5

“Eu sou a videira, vós os ramos; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.” Jo 15, 5

Hno. Mariosvaldo Florentino

Mayo - Viernes 01

Gotas de Paz – 649

En este V domingo del tiempo de Pascua la Iglesia nos ofrece el evangelio de la Vid y las ramas.

También esta imagen es muy sencilla y muy conocida. La gente del tiempo de Jesús estaba muy familiarizada con la vid, con el cuidado que se debía tener con sus ramas y sus frutos.

Conforme los apóstoles iban asimilando el gran misterio de la resurrección de Cristo, empezaban a recordar sus enseñazas y solamente entonces podían comprender la fuerza de sus palabras. A lo mejor cuando escucharon por primera vez esta comparación ni le hicieron mucho caso, pues no entendían muy bien qué significaba. Sin embargo, después de la resurrección de Cristo todos los recuerdos se llenaron de una nueva luz. Se les abrieron los ojos y el corazón. Solamente a la luz de la resurrección ellos fueron capaces de entender lo que significaba estar unido a Cristo y recibir de él la savia para sus vidas.

Cristo está vivo. Él es el vencedor de todo el mal, hasta de la muerte. Nada ni nadie puede detenerlo o hacerle daño. Entonces estar unido a él, como los ramos están unidos a la Vid, significa tener la misma vida de él, y así poder producir los mismos frutos que él produce.

Es más, en nuestro mundo, solamente a través de nosotros él puede continuar dando frutos. Su resurrección, su victoria, su amor, su gracia, su misericordia... puede continuar en la historia humana sólo a través de nuestras manos, de nuestras obras, de nuestra vida.

En el bautismo nosotros fuimos injertados en Cristo. Empezamos a hacer parte de su cuerpo. Nos tornamos una rama de esta gran vid. Y él espera que cada uno de nosotros pueda expandirse mucho y producir abundante fruto, pues quien no lo hace un día será cortado de la vid y morirá. Para crecer y producir frutos necesitamos recibir la savia. Y cuanto esta sea más abundante, tanto más vigorosos seremos. La savia de Cristo nosotros la podemos recibir en la Iglesia, sobretodo en los sacramentos y en la oración. Estos son los medios que Dios eligió para alimentarnos en la fe.

Quien se contenta solamente con una señal de la Cruz o una pequeña oración distraída, recibe seguramente muy poca savia, a lo mejor lo suficiente para no morir, pero no puede producir frutos. Nadie puede dar lo que no posee. Es la participación frecuente a la eucaristía, la escucha constante de su palabra, la intensa oración como diálogo con Dios, la que nos llena de la gracia de Cristo y hace despuntar en todo nuestra vida, en nuestras sencillas acciones y en nuestras palabras los frutos de Dios.

Esta savia es el Espíritu Santo. Es él quien nos hace productivos en el bien. (Sin mí no pueden hacer nada!)

Es importante darse cuenta que nosotros producimos de acuerdo con lo que consumimos. Quien sólo recibe la savia del mundo a través de, por ejemplo, las músicas, las telenovelas, los romances, los chismes, las páginas de internet... ciertamente producirá en su vida como fruto el egoísmo, la prepotencia, la mentira, la lujuria... Una persona que –por ejemplo– se llena de rock pesado todo el tiempo, que se divierte con video games violentos, que frecuenta ambientes de mucha tensión, no es difícil de entender por qué es agresiva.

Debemos estar unidos a Cristo, y esto no puede ser sólo una idea o una buena intención. Muy en lo concreto, debemos decir que no sirve querer ser cristiano, pero no tener tiempo para Él. Sólo la buena voluntad no hace que un campo sea productivo. Nadie vive sólo teniendo ganas de comer, sin alimentarse concretamente. Lo mismo pasa con la vida cristiana.

Hermano, es el Señor quien nos invita: “Permanezcan en mí y yo permaneceré en ustedes.” El mundo necesita de los frutos de Dios y a través de nosotros el Señor los puede producir.

El Señor te bendiga y te guarde,

El Señor te haga brillar su rostro y tenga misericordia de ti.

El Señor vuelva su mirada cariñosa y te dé la PAZ.

Hno. Mariosvaldo Florentino, capuchino

Gocce di Pace - 266

In questo V domenica del tempo di Pasqua la Chiesa c'offre il vangelo della vite e dei tralci.

Anche questa immagine è molto semplice e molto conosciuta. La gente al tempo di Gesù era molto abituata con la vite, alla cura di cui essa necessitava, coi suoi rami ed i suoi frutti.

Come gli apostoli continuavano ad assimilare il gran mistero della resurrezione di Cristo, incominciavano a ricordare i suoi insegnamenti, solamente allora potevano comprendere la forza delle sue parole. Forse quando ascoltarono per la prima volta questo paragone non gli fecero molto caso, perché non capivano molto bene che significasse. Tuttavia, dopo la resurrezione di Cristo tutti i ricordi si riempirono di una nuova luce. Furono aperti loro gli occhi ed il cuore. Solo alla luce della resurrezione essi furono capaci di capire che significasse essere uniti a Cristo e ricevere da lui la linfa per le proprie vite.

Cristo è vivo. Egli è il vincitore di tutto il male, perfino della morte. Niente e nessuno può fermarlo o fargli danno. Allora essere unito a lui, come i rami sono uniti alla vite, significa avere la stessa vita sua, e così poter produrre in se stessi gli stessi frutti che egli produce.

Di più, nel nostro mondo, solo attraverso noi egli può continuare a fruttificare. La sua resurrezione, la sua vittoria, il suo amore, la sua grazia, la sua misericordia... può continuare a dare i suoi frutti nella storia umana attraverso le nostre mani, le nostre opere, la nostra vita.

Nel battesimo noi siamo stati innestati in Cristo. Abbiamo cominciato a fare parte del suo corpo. Noi siamo come un ramo di questa grande vite. Ed egli spera che ognuno di noi possa espandersi molto e produrre abbondante frutto, e chi non lo fa un giorno sarà tagliato dalla vite e morrà. Per crescere e produrre frutti dobbiamo ricevere la linfa. E quanto più questa è abbondante tanto più saremo vigorosi. La linfa di Cristo noi la possiamo ricevere nella Chiesa, soprattutto nei sacramenti e nelle preghiere. Questi sono i mezzi che Dio ha scelto per alimentarci nella fede.

Chi si accontenta solamente con un segno della Croce, o con una piccola preghiera recitata con distrazione, riceve sicuramente poca linfa, forse quanto basta per non morire, ma non tanta per produrre frutti. Nessuno può dare quello che non possiede. È la partecipazione frequente all'eucaristia, l'ascolto costante della sua parola, l'intensa preghiera-dialogo con Dio che ci riempie della grazia di Cristo, e fa manifestare in tutta la nostra vita, nelle nostre semplici azioni e nelle nostre parole i frutti di Dio.

Questa linfa è lo Spirito Santo. Egli è colui che ci fa produttori di bene ( Senza me non possono fare niente..)

È importante dire anche che noi produciamo in base a ciò che consumiamo. Chi riceve solo la linfa del mondo, per esempio per mezzo della musica, dei teleromanzi, dei rom anzi cavallereschi, dei pettegolezzi, delle pagine di internet... certamente produrrà nella propria vita come frutto l'egoismo, la prepotenza, la bugia, la lussuria.... Una persona, per esempio, che si riempie di rock pesante tutto il tempo, che si diverte con i video-games violenti, che frequenta ambienti pericolosi... non è difficile da capire quanto possa essere aggressiva.

Dobbiamo essere uniti a Cristo, e questo non può essere solo un'idea, o una buona intenzione. Molto concretamente, dobbiamo capire che non serve volere essere cristiani, ma poi non avere tempo per Lui. Solo la buona volontà non è sufficiente affinché un campo sia produttivo. Nessuno vive solo per la voglia di mangiare, senza alimentarsi concretamente. La stessa cosa succede con la vita cristiana.

Fratello, è il Signore chi c'invita: "Rimanete in me e io rimarrò in voi." Il mondo ha bisogno dei frutti di Dio, ed attraverso noi il Signore può produrli.

Il Signore vi benedica e vi protegga,

Il Signore faccia risplendere il suo viso su di voi e vi doni la sua misericordia.

Il Signore volga il suo sguardo affettuoso su di voi e vi doni la sua Pace.

Fra Mariosvaldo Florentino, cappuccino

Gotas de Paz – 609

Neste V domingo do tempo de Pasqua a Igreja nos oferece o evangelho da Videira e dos ramos.

Tambem esssa imagem é muito simples e muito conhecida. A gente do tempo de Jesus estava familiarizada com a videira, com o cuidado que se devia ter, com os seus ramos e com os seus frutos.

Conforme os apóstolos assimilavam o grande mistério da resurreição de Cristo, começavam a recordar seus ensinamentos e somente então comprendiam a força da suas palavras. Ou melhor quando escutaram pela primeira vez essa comparação talvez nem fizeram muito caso. Pois não entendiam muito bem o que significava. Porém, depois da resurreição de Cristo todas as lembranças ganharam uma nova luz. Os seus olhos e o coração se abriram. Somente com a luz da resurreição eles foram capazes de entender que significava estar unido a Cristo e receber dele a seiva para suas vidas.

Cristo está vivo. Ele é o vencedor de todo o mal, até da morte. Nada nem ninguém pode impedir-lo ou causar-lhe danos. Então estar unido a ele, como os ramos estão unidos a videira, significa ter a mesma vida dele, e assim poder produzir em nós os mesmos frutos que ele produz.

Em nosso mundo, somente através de nós ele pode continuar a frutificar. Sua resurreição, sua vitória, seu amor, sua graça, sua misericordia ... podem continuar a dar frutos na história humana somente através de nossas maõs, de nossas obras, de nossa vida.

No batismo nós fomos enxertados em Cristo. Começamos a fazer parte do seu corpo. Nos tornamos um ramo desta grande videira. E ele espera que cada um de nós possa expandir-se muito e produzir abundante fruto, pois quem não o faz, um dia será cortado da videira e morrerá. Para crescer e produzir frutos necessitamos receber a seiva. E quanto mais esta seja abundandante tanto mas vigorosos seremos. A seiva de Cristo nós podemos receber na Igreja sobretudo através dos sacramentos e na oração. Estes são os meios que Deus elegeu para alimentar-nos na fé.

Quem se contenta somente com um sinal da Cruz, ou uma pequena oração distraida, recebe seguramente muito pouca seiva, ou melhor o suficiiente talvez para não morrer, mas não pode produzir frutos. Ninguém pode dar o que não possue. È a participação frequente na eucaristia, a escuta constante da sua palabra, a intensa oração como diálogo de amor com Deus, que nos enche da graça de Cristo, e faz despontar em toda nossa vida, em nossas simples ações e em nossas palavras os frutos de Deus.

Esta seiva é o Espirito Santo. É ele quem nos faz produtivos no bem (porque sem mim nada podeis fazer!)

É importante dar-se conta que nós produzimos de acordo com o que consumimos. Quem somente recebe a seiva do mundo, através, por exemplo, das músicas, das telenovelas, dos romances, das fofocas, das páginas de internet ... certamente produzirá em sua vida como fruto o egoísmo, a prepotência, a mentira, a luxuria ... Uma pessoa, por exemplo, que se enche de rock pesado todo o temppo, que si diverte com vídeo-games violentos, que frequenta ambientes de muita tensão ... não é difícil de entender porque seja agressivo.

Devemos estar unidos a Cristo, e isto não pode ser somente uma idéia, ou uma boa intenção. Muito no concreto, devemos dizer que não serve querer ser cristão, mas não ter tempo para Ele. Somente a boa vontade não faz um campo ser produtivo. Ninguém vive somente tendo vontade de comer, sem alimentar-se concretamente. O mesmo acontece com a vida cristã…

Meu irmão é o Senhor quem nos convida: “Permaneçam em mim e eu permanecerei em vocês.” O mundo necessita dos frutos de Deus, e através de nós o Senhor os pode produzir.

Que o Senhor vos abençoe e vos guarde.

Que o Senhor mostre a sua face e lhes seja favorável!

Que o Senhor volva o seu rosto misericordioso e lhes de a PAZ.

Frei Mariosvaldo Florentino, capuchinho.

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales