“Así, pues, el Señor Jesús, después de hablarles, fue llevado al cielo y se sentó a la derecha de Dios.” (Mc 16, 19)

“Depois de falar com os discípulos, o Senhor Jesus foi levado ao céu, e sentou-se à direita de Deus.” (Mc 16, 19)

Hno. Mariosvaldo Florentino

Mayo - Viernes 15

Gotas de Paz – 651

Ya casi al final del tiempo de Pascua la Iglesia nos invita a celebrar la ascensión de Jesús al cielo.

La Biblia dice que cuarenta días después de su resurrección, habiendo aparecido muchas veces a sus apóstoles, confirmándoles en la fe, el Señor Jesús subió al cielo para sentarse a la derecha de Dios Padre.

Pero, ¿por qué es importante celebrar esta fiesta? ¿Qué es lo que la Iglesia nos quiere enseñar?

Celebramos con gran alegría la venida de Dios en la historia con las fiestas de la anunciación, de la navidad y de la epifanía. Y nos parece muy lógico hacerlo, al final es estupendo conocer el misterio del Dios que nos visita. Pero si no entendemos bien, puede parecer extraño que nos alegremos por su partida.

Ciertamente, celebrar la ascensión de Jesús al cielo, no es celebrar el abandono de Dios. No significa decir que, estando a la derecha del Padre, ahora Él es un Dios distante, que ya no tiene más nada que ver con nosotros. La última frase del evangelio de San Mateo, nos habla muy claramente: “Yo estoy con ustedes todos los días hasta que se termine este mundo.”

La nueva alianza con Dios, fundada en el misterio de Jesucristo, hombre-Dios, es nueva y eterna, y por eso no puede ser quebrada, aun menos por Dios, quien fue el que tuvo la iniciativa de ofrecérnosla.

La Ascensión de Jesús señala entonces el inicio de una nueva fase en nuestra relación con Dios. Ahora ya no tendremos más el privilegio de poder verlo, de abrazarlo, de dejar que él nos lave los pies, de tocar con nuestros dedos sus llagas y su costado, de comer el pan por él multiplicado, pues, como eventos históricos, estas cosas ya pasaron. Pero, como decía san León Magno: “Todo lo que en Jesús fue evento, a través de la Iglesia, son para nosotros sacramentos.” Nuestra nueva relación con él se da en el Espíritu Santo.

Es a través del Espíritu Santo que la Iglesia, en los sacramentos, hace viva y eficaz toda la obra salvadora de Jesucristo. En la fuerza del Espíritu, el bautismo, la confirmación, la Eucaristía, la reconciliación, la unción, el matrimonio y el orden son, para nosotros, el modo sacramental de sentir su presencia con nosotros, todos los días hasta el final del mundo.

Alguien podría pensar que si él estuviera presente “en carne y hueso”, sería más fácil el sentir su acción en nuestras vidas. Pero esto puede ser un pensamiento ingenuo. De hecho, muchos de aquellos que estuvieron junto a Jesús, aun así, no tuvieron fe ni transformaron sus vidas. Muchos, tan encerrados en sus prejuicios, ni percibieron que Dios caminaba con ellos. Por otro lado, con fe, los sacramentos dejados por Jesús son suficientes para experimentar su acción en nuestras vidas, para acoger su reino, para vencer todas las pruebas y para transformarnos continuamente en su imagen.

Por eso, celebrar la Ascensión de Jesús es profesar nuestra fe en su presencia actuante en nuestro medio. Es abrirnos a la gracia de su Santo Espíritu, que nos hace recordar todas sus palabras y sus gestos, descubriendo el sentido profundo de cada uno de ellos y permitiendo que él continúe en nosotros la obra empezada.

El Señor te bendiga y te guarde,

El Señor te haga brillar su rostro y tenga misericordia de ti.

El Señor vuelva su mirada cariñosa y te dé la PAZ.

Hno Mariosvaldo Florentino, capuchino

Gocce di Pace - 421

Siamo quasi alla fine del tempo di Pasqua e la Chiesa ci invita a celebrare l'Ascensione di Gesù in cielo. In effetti, la Bibbia ci dice che quaranta giorni dopo la sua risurrezione, essendo apparso più volte ai suoi apostoli, confermandoli nella fede, il Signore Gesù ascese al cielo per sedere alla destra di Dio Padre.

Ma perché è importante celebrare questa festa? Cosa vuole insegnarci la Chiesa?

Celebriamo con grande gioia la venuta di Dio nella storia con la festa dell’Annunciazione, del Natale e dell'Epifania. E sembra molto logico farlo in grande; alla fine è stupendo conoscere il mistero di Dio che ci visita. Tuttavia, se non è compreso bene, può sembrare strano che ci rallegriamo per la sua partenza.

Sicuramente celebrare l’Ascensione di Gesù in cielo, non è celebrare l'abbandono di Dio. Ciò non significa che, stando alla destra del Padre, Egli è divenuto ora un Dio lontano, che non ha più nulla a che fare con noi. L'ultima frase del Vangelo di S. Matteo ci dice molto chiaramente: "Io sono sempre con voi fino alla fine del mondo".

La nostra nuova alleanza con Dio, fondata nel mistero di Gesù Cristo, il Dio-uomo, è nuova ed eterna, e quindi non può essere spezzata, ancora meno da parte di Dio, che ha preso l'iniziativa di offrircela.

L'Ascensione di Gesù sottolinea l'inizio di una nuova fase nella nostra relazione con Dio. Ora non abbiamo più il privilegio di poterlo vedere, di abbracciarlo, di lasciargli lavare i nostri piedi, di toccare con le nostre dita le sue piaghe e il costato, di mangiare il pane da lui moltiplicato perché, come eventi storici, queste cose sono già passate.

Ma, come ha detto san Leone Magno: " Tutto quello che fu evento in Gesù, attraverso la Chiesa, sono per noi sacramenti". La nostra nuova relazione con lui è nello Spirito Santo.

È per mezzo dello Spirito Santo che la Chiesa nei sacramenti può rendere efficace la salvezza operata per mezzo di Gesù Cristo. Nella potenza dello Spirito, il battesimo, la cresima, l’eucaristia, la riconciliazione, l’unzione, il matrimonio e l’ordine, sono per noi il modo sacramentale di sentire la sua presenza, tutti i giorni fino alla fine del mondo.

Qualcuno potrebbe pensare che se egli fosse presente “in carne e ossa”, sarebbe molto più facile sentire la sua azione nelle nostre vite. Ma questo può essere un pensiero ingenuo. In realtà, molti di coloro che erano insieme con Gesù, non hanno mai avuto la fede e nemmeno hanno trasformato la loro vita. Tanti erano così chiusi nel loro pregiudizio da non percepire che Dio camminava con loro. D'altro canto, con la fede, i sacramenti lasciati da Gesù sono sufficienti per sperimentare la Sua azione nella nostra vita, per ricevere il Suo regno, per superare tutte le prove e per trasformarci continuamente a Sua immagine.

Quindi, celebrare l'Ascensione di Gesù è professare la nostra fede nella Sua presenza attiva in mezzo a noi. È apertura alla grazia del suo Santo Spirito che ci fa ricordare tutte le sue parole e i suoi gesti, per scoprire il significato più profondo di ciascuno e permettendo che egli continui in noi l’opera iniziata.

Il Signore vi benedica e vi protegga,

Il Signore faccia risplendere il suo viso su di voi e vi doni la sua misericordia.

Il Signore volga il suo sguardo affettuoso su di voi e vi doni la sua Pace.

Fra Mariosvaldo Florentino, cappuccino

Gotas de Paz – 611

Já quase ao final do tempo de Páscoa a Igreja nos convida a celebrar a ascensão de Jesus ao céu.

A Bíblia nos conta que quarenta dias depois de sua ressurreição, tendo aparecido muitas vezes aos seus apóstolos, confirmando-os na fé, o Senhor Jesus foi levado ao céu, e sentou-se à direita de Deus.

Mas, por que é importante celebrar essa festa? O que a Igreja nos quer ensinar?

Celebramos com grande alegria a vinda de Deus na história com as festas da anunciação, do natal e da epifania. E nos parece lógico fazer-lo, a final é maravilhoso conhecer o mistério de Deus que nos visita. Porém, se não entendemos bem, pode parecer estranho que nos alegremos por e façamos festa pela Sua partida.

Seguramente celebrar a ascensão de Jesus ao céu, não é celebrar o abandono de Deus. Não significa que, estando a direita do Pai, agora Ele é um Deus distante e ausente, que já não tem mais nada que haver conosco.

A ultima frase do evangelho de São Mateus, nos diz muito claramente: “Eu estarei com vocês todos os dias ate o fim do mundo.”

A nossa nova aliança com Deus, fundada no mistério de Jesus Cristo, homem-Deus, é nova e eterna, e por isso não pode ser quebrada, muito menos por Deus, que teve a iniciativa de oferecer-nos.

A Ascensão de Jesus assinala então o inicio de uma nova fase em nossa relação com Deus. Agora já não teremos mais o privilégio de poder vê-lo, de abraçá-lo, de deixar que ele nos lave os pés, de tocar com nossos dedos suas chagas e seu lado, de comer o pão por ele multiplicado, pois, como eventos históricos, estas coisas já passaram . Mas, como dizia são Leão Magno: “Tudo o que em Jesus foi evento, através da Igreja, são para nós sacramentos.” A nossa nova relação com ele se da no Espírito Santo.

É através dele que a Igreja nos sacramentos faz vivo e eficaz toda a obra salvadora de Jesus Cristo. Na força do Espírito, o batismo, a confirmação, a eucaristia, a reconciliação, a unção, o matrimônio e a ordem, são para nós o modo sacramental de sentir Sua presença conosco, todos os dias até o final do mundo.

Alguém poderia pensar que se ele estivesse presente “em carne e osso”, seria muito mais fácil para sentir sua ação em nossas vidas. Mas isto pode ser um pensamento ingênuo. De fato, muitos daqueles que estiveram juntos com Jesus, ainda assim não tiveram fé e nem tiveram suas vidas transformadas. Muitos, tão fechados em seus preconceitos, nem perceberam que Deus caminhava com eles. Por outro lado com fé, os sacramentos deixados por Jesus são suficientes, para experimentar sua ação em nossas vidas, para acolher seu reino, para vencer todas as provas e para transformar-nos continuamente na sua imagem .

Por isso celebrar a Ascensão de Jesus é professar nossa fé em sua presença atuante em nosso meio. É abrir-nos a graça de seu Santo Espírito, que nos faz recordar todas suas palavras e seus gestos, descobrindo o sentido profundo de cada um e permitindo que ele continue em nós a obra começada.

O Senhor te abençoe e te guarde,

O Senhor faça brilhar sobre ti o seu rosto e tenha misericórdia de ti.

O Senhor mostre o seu olhar carinhoso e te dê a PAZ.

Frei Mariosvaldo Florentino, capuchinho.

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales