“¡Quítate de mi vista, Satanás! Porque tus pensamientos no son los de Dios, sino los de los hombres.” (Mc 8, 33

“Va' dietro a me, Satana! Perché tu non pensi secondo Dio, ma secondo gli uomini” (Mc 8, 33)

“Afasta-te de mim Satanás; porque os teus sentimentos não são os de Deus, mas os dos homens.” (Mc 8, 33)

Hno. Mariosvaldo Florentino

Septiembre - Viernes 11

Estas palabras que encontramos en el evangelio de este domingo nos parecen muy fuertes, y nos llama la atención que sean referidas, nada más y nada menos, que a san Pedro, el mismo que unas líneas antes había profesado su fe de que Jesús era el Señor y que le valió el primado en la Iglesia.

Jesús no quería decir que san Pedro estaba poseído por el demonio, sino que su razonamiento en aquel momento era contrario a la voluntad de Dios. Pedro quería liberar a Jesús del sufrimiento. Quería que no caminase hacia la cruz. Quería que Jesús pensase en sí mismo, y no en la salvación que su sacrificio traería a todos. En el fondo él quería solo proteger a Jesús. Su modo de pensar era solo humano. Él no estaba consiguiendo ver más allá de lo inmediato. Es por eso que Jesús lo llama ¡Satanás!, porque estaba siendo un obstáculo en el camino de Dios.

Satanás es aquel que nos confunde, que nos hace ver mal a las cosas; que nos hace creer que el mal, no es tan malo; que nos hace inventar justificaciones que nos acomodan y tranquilizan nuestra conciencia; que nos hace pensar que lo que hago yo es lo correcto y los demás yerran, cuando en la verdad soy yo, el que camino en la oscuridad. Así que su acción en nuestras vidas es muy sutil y continuada. Todos nosotros estamos muy sujetos a caer en sus trampas, y también muchas veces queriendo ayudar preparamos sus trampas para los demás, como Pedro estaba haciendo con Jesús.

Es verdad, que no es muy fácil conocer los pensamientos de Dios. La lógica del Señor es muy diferente de la lógica del mundo. Para él, los pobres son bienaventurados, así como los que lloran, los mansos, los pacíficos, los que buscan la justicia, los que perdonan, los perseguidos, los puros de corazón ... cuando en la lógica del mundo estos son desgraciados o estúpidos.

Abrazar la cruz por amor es una cosa que el mundo jamás comprenderá. Ser capaz de morir, de renunciar mis pensamientos y proyectos, para que otro pueda ser feliz, es para el mundo una autentica tontería.

En nuestro caminar en este mundo hacia Dios nos encontramos cada día delante de estas dos lógicas. Naturalmente nuestros instintos nos quieren convencer que la lógica del mundo es la mejor, es la más sensata, es la justa. Pero desde nuestro bautismo habita en nosotros el Espíritu del Señor, y es él quien nos hace recordar las cosas que nos dice Jesús y que son la voluntad de Dios. Depende de cuánto nosotros fortalecemos a este Espíritu, con la oración, con la eucaristía, con el examen de conciencia, con la meditación de la palabra de Dios... para que él nos dé la posibilidad de ver más allá de lo aparente.

Una persona que está completamente metida en las cosas del mundo tendrá a flor de piel la lógica de mundo, vivirá mundanamente. Una persona que se deje envolver por Dios podrá despacito desenmascarar los fraudes del mundo y vivir según el Espíritu. No nos olvidemos que para nosotros desde el pecado original, el mal es siempre más atrayente. Y aunque ya tengamos hecho muchos progresos en la vida espiritual, siempre estamos sujetos a caer en sus insidias. Nadie está libre de su tentación: ni Pedro, ni los grandes hombres espirituales, ni nosotros... “Quien está de pie, se cuide para no caer...” nos dice san Pablo.

Queste parole che troviamo nel vangelo di questa domenica ci sembrano molto forti, e ci richiamano all'attenzione perché sono riferite niente di meno che a san Pietro, lo stesso che prima aveva professato la sua fede, cioè che Gesù era il Signore, e che gli valse il primato nella Chiesa.

Gesù non voleva dire che san Pietro era posseduto dal demonio, ma il suo ragionamento in quel momento era contrario alla volontà di Dio.

Pietro voleva liberare Gesù dalla sofferenza. Voleva che non camminasse verso la croce. Voleva che Gesù pensasse a sé stesso, e non alla salvezza che il suo sacrificio avrebbe portato a tutti. In fondo egli voleva solamente proteggere Gesù. Il suo modo di pensare era solo umano. Egli non stava riuscendo a vedere oltre il fatto immediato. È per questo motivo che Gesù lo chiama “Satana”, perché stava diventando, durante il tragitto, un ostacolo a Dio.

Satana è quello che ci confonde, che ci fa vedere male le cose; che ci fa credere che il male non è tanto male; che ci fa inventare giustificazioni che sistemano e tranquillizzano la nostra coscienza; che ci fa pensare che ciò che io faccio è una cosa corretta e gli altri sbagliano, quando, in verità, sono io che cammino nell'oscurità. Cosicché la sua azione nelle nostre vite è molto sottile e perseverante. Tutti noi siamo spesso soggetti a cadere nelle sue trappole, e, molte volte, volendo aiutare, prepariamo le sue trappole per gli altri, come Pietro stava facendo con Gesù.

In verità non è molto facile conoscere i pensieri di Dio. La logica del Signore è molto diversa dalla logica del mondo. Per lui, i poveri sono felici, anche quelli che piangono, i miti, i pacifici, quelli che cercano la giustizia, quelli che perdonano, quelli che sono perseguitati, i puri di cuore... quelli che per la logica del mondo sono disgraziati o stupidi.

Abbracciare la croce per amore è una cosa che il mondo non comprenderà mai. Essere capace di morire, di rinunciare ai propri pensieri e progetti, affinché un altro possa essere felice, è per il mondo un'autentica sciocchezza.

Il nostro camminare in questo mondo verso Dio ci fa trovare ogni giorno davanti a queste due logiche. Naturalmente i nostri istinti vogliono convincerci che la logica del mondo è la migliore, è la più sensata, è il massimo. Ma dal giorno del nostro battesimo abita in noi lo Spirito del Signore, ed Egli è Colui che ci fa ricordare le cose che ci dice Gesù e che sono la volontà di Dio. Dipende da quanto noi fortifichiamo questo Spirito, con la preghiera, con l'eucaristia, con l'esame di coscienza, con la meditazione della parola di Dio... affinché egli ci dia la possibilità di vedere oltre l'apparenza. Una persona che è completamente immersa nelle cose del mondo avrà a cuore la logica del mondo, vivrà mondanamente. Una persona che si lascia avvolgere da Dio potrà smascherare pian pianino le frodi del mondo e vivere secondo lo Spirito. Non ci dimentichiamo che per noi dal peccato originale, il male è sempre più attraente. E benché abbiamo già fatto molti progressi nella vita spirituale, siamo sempre soggetti a cadere nelle sue insidie. Nessuno è libero dalla sua tentazione: né Pietro, né i grandi uomini spirituali, né noi... "Chi sta in piedi, badi di "non cadere"... ci dice san Paolo.

Essas palavras que encontramos no evangelho deste domingo parecem ser muito fortes, e nos chama a atenção que sejam referidas, nada mais nada menos que a São Pedro, o mesmo que umas linhas antes havia professado a fé de que Jesus era o Senhor e que lhe valeu o primado na Igreja.

Jesus não queria dizer que São Pedro estava possuído pelo demônio, mas que o seu raciocínio naquele momento era contrário a vontade de Deus.

Pedro queria livrar Jesus do sofrimento. Queria que não caminhasse para a cruz. Queria que Jesus pensasse em si mesmo, sem considerar a salvação que seu sacrifício traria a todos. No fundo ele queria somente proteger Jesus. Seu modo de pensar era somente humano. Ele não estava conseguindo ver além do imediato. É por isso que Jesus o chama Satanás, porque estava sendo um obstáculo no caminho de Deus.

Satanás é aquele que nos confunde, que nos faz ver mal as coisas, que nos faz acreditar que o mal não é tão mal assim, que nos faz inventar justificações que nos acomodam e tranqüilizam nossa consciência, que nos faz pensar que o que faço eu é o correto e os demais erram, quando na verdade sou eu que caminho na escuridão. De fato, as suas ações nas nossas vidas é muito sutil e continuada. Todos nós estamos sujeitos a cair na suas armadilhas, e também muitas vezes querendo ajudar preparamos as suas armadilhas para os demais, como Pedro estava fazendo com Jesus.

È verdade, que não é muito fácil conhecer os pensamentos de Deus. A lógica de Senhor é muito diferente da lógica do mundo. Para ele, os pobres são bem aventurados, assim como os que choram, os mansos, os pacíficos, os que buscam a justiça, os que perdoam, os perseguidos, os puros de coração ... quando na lógica do mundo esses são desgraçados ou estúpidos.

Abraçar a cruz por amor é uma coisa que o mundo jamais compreenderá. Ser capaz de morrer, de renunciar meus pensamentos e projetos para que um outro possa ser feliz, é para o mundo uma autentica bobeira.

No nosso caminhar nesse mundo para Deus nos encontramos cada dia diante dessas duas lógicas. Naturalmente nossos instintos nos querem convencer que a lógica do mundo é a melhor, é a mais sensata, é a justa. Mas desde o nosso batismo vive em nós o Espírito do Senhor, e é ele quem nos faz recordar as coisas que nos disse Jesus e que são a vontade de Deus. Depende de quanto nós fortalecemos a esse Espírito, com a oração, com a eucaristia, com o exame de consciência, com a meditação da palavra de Deus… para que ele nos de a possibilidade de ver mais além das aparências. Uma pessoa que está completamente inserida nas coisas do mundo terá a flor da pele a lógica do mundo e viverá mundanamente. Um pessoa que se deixe envolver por Deus poderá aos poucos desmascarar as fraudes do mundo e viver segundo o Espírito. Não nos esqueçamos que para nós desde de o pecado original, o mal é sempre mais atraente. E ainda que já tenhamos feito muitos progressos na vida espiritual, sempre estamos sujeitos a cair nas suas insidias. Ninguém está livre das suas tentações: Nem Pedro, nem os grandes homens espirituais, nem nós… “Quem está em pé, cuide para não cair…” nos disse São Paulo.

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales