"Ninguna cosa que entra en el hombre puede hacerlo impuro; lo que lo hace impuro es lo que sale de él."(MC 7, 15)

«Bene ha profetato Isaia di voi, ipocriti, come sta scritto: "Questo popolo mi onora con le labbra, ma il suo cuore è lontano da me. Invano mi rendono culto, insegnando dottrine che sono precetti di uomini". Trascurando il comandamento di Dio, voi osservate la tradizione degli uomini». Mc 7, 6-7

Jesus, respondendo, disse-lhes: “Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, Mas o seu coração está longe de mim. Em vão, porém, me honram, ensinando doutrinas que são mandamentos de homens.” (Mc 7, 6-7)

Hno. Joemar Hohmann

Agosto - Viernes 28

"Ninguna cosa que entra en el hombre puede hacerlo impuro; lo que lo hace impuro es lo que sale de él."(MC 7, 15)

Desde siempre las religiones se han preocupado con la pureza de las personas para que puedan tener contacto con Dios. Siendo Dios santo y puro, el solo podría ser encontrado por aquellos que también estuvieran puros.

¿Pero cómo puede ser el hombre puro? Muchas religiones hicieron una analogía con la naturaleza. Por ejemplo una vasija con agua pura puede ser contaminada con algunas gotas de otro producto. Una comida puede volverse impropia al consumo si le agregamos alguna otra sustancia. Una ropa se ensucia al tener contacto con otras cosas sucias. Así también el hombre queda impuro cuando come ciertas cosas, o cuando toca otras que son clasificadas de impuras.

La religión judía tiene muchos principios de este estilo, muchas cosas que no se pueden comer porque siendo cosas impuras al entrar en el hombre lo hacen también quedar impuro, o al ser tocadas también lo contaminan, la consecuencia es que una persona impura no puede relacionarse con Dios, tendrá primero que hacer una serie de acciones rituales para reconquistar el estado de pureza y solo después poder buscar a Dios.

Sin embargo, Jesús propone una inversión total en este modo de comprender, cómo una persona puede quedarse impura.

"Ninguna cosa que entre en el hombre puede hacerlo impuro, lo que lo hace impuro es lo que sale de él." No es lo que comemos lo que puede hacernos impuros. Jesús nos libera de todas las restricciones de la antigua Ley en cuanto a los alimentos y los contactos. No sirve de nada evitar de comer o beber muchas cosas, pero mantener el corazón lleno de maldad, de acusaciones, de odios... es esto lo que descompone nuestra vida y nuestro relacionamiento con Dios.

Jesús es muy claro al decir que: "Lo que sale del hombre, eso lo hace impuro, pues del corazón del hombre salen las malas intenciones: inmoralidad sexual, robos, asesinos, infidelidad matrimonial, codicia, maldad, vida viciosa, envidia, injuria, orgullo y falta de sentido moral. Todas estas maldades salen de dentro y hacen impuro al hombre." (20-23)

Infelizmente aun hoy en día tenemos muchas personas que viven la religión como un conjunto de prácticas exteriores, pero que no llegan a la profundidad de la vida. Sus corazones son semilleros de cosas malas.

Hasta rezan, y realizan ciertas prácticas religiosas, pero basta conversar un poquito con ellas para encontrar un corazón rebosante de maldad y podredumbre.

Ciertamente el Señor nos invita a renovarnos totalmente en nuestra interioridad.

A mantener la pureza desde lo más íntimo de nuestro ser.

A evitar que salga de nosotros todo lo que deja en nosotros la marca del mal, mismo que nadie lo vea.

No basta cuidar los ojos de los demás, es mucho más importante estar atento a los ojos de Dios.

Pero hay otra cosa también muy importante que Jesús cambia en relación a la mentalidad anterior.

Quien estuviera impuro no podría relacionarse con Dios. Debería antes realizar algunas prácticas o rituales que le devolvería la pureza para después poder retornar a Dios.

Jesús, con su vida y sus palabras nos enseña, que en primer lugar debemos luchar y evitar el mal con todas nuestras fuerzas, pero cuando nuestras debilidades nos vencen y de nuestro corazón salen cosas malas, no debemos acomodarnos con ellas, pero si buscar al Señor, que es lo único que nos puede purificar.

No son nuestras obras que nos purifican, pero la sangre de Cristo, misterio de amor, que puede lavarnos y devolver la plenitud de la vida. Es la confesión sincera, el corazón abierto que puede hacernos renacer. Dios no tiene problema de relacionarse y purificar hasta al más grande pecador, pero es nuestro pecado que puede hacer cada vez más difícil el acercarse a Dios.

Querido hermano, querida hermana: el Señor no necesita de las apariencias, él quiere mirar el corazón y aunque necesites un corazón nuevo, él te puede dar. ¡Coraje!

Realmente il vangelo di oggi ci mette davanti ad un problema che sembra essere molto presente in tutta la storia dell'umanità, e che oggi lo sentiamo in particolare: le apparenze.

Come abbiamo detto nelle settimane precedenti, l'essere umano può spremersi solo attraverso il proprio corpo. La sua anima può manifestarsi solamente quando trova un modo per diventare sensibile, sia con la parola, con lo sguardo, col modo di vestirsi, con un gesto, con un tocco di affetto... per questo motivo è molto importante per noi quello che si vede e quello che sente. Allo stesso modo possiamo conoscere le altre persone solo se sperimentiamo qualcosa di esse: quello che vediamo, ascoltiamo, sentiamo...

Il problema è che gli esseri umani hanno la capacità di manifestare non solo quello che sono realmente, la propria interiorità, ma anche hanno la capacità di ingannare, di generare un'immagine differente di quello che, in realtà, sono. Questa è una vera tentazione nelle nostre vite: mostrarci molto migliori di quello che effettivamente siamo. Ci preoccupiamo troppo di quello che pensano gli altri di noi e per questo motivo cerchiamo di creare illusioni generando in essi un nostra immagine che non ci corrisponde.

Quante volte, per esempio, davanti ad un povero, quando siamo soli, nemmeno li diamo il saluto, ma quando siamo accompagnati lo salutiamo bene e soddisfacciamo ogni sua richiesta. Sicuramente questa carità non nasce dalla generosità del nostro cuore, ma della preoccupazione della nostra immagine, è una carità solo apparente. Il nostro pensiero non è il bene del povero, ma solo il nostro proprio bene. Ha la maschera della carità, ma in verità è il nostro egoismo travestito.

La stessa cosa molte volte succede con la nostra fede. Vogliamo sembrare cristiani, devoti, credenti... e per questo motivo facciamo alcune pratiche esterne: andiamo in chiesa; usiamo una catenina con la croce, facciamo il segno della croce, accendiamo una candela, diamo alcune monete che ci eccedevano nel salvadanaio... e così manteniamo l'immagine di buoni cristiani.

Il problema è che molte volte questo non passa di una buccia. A volte il nostro cristianesimo è tanto superficiale che il nostro cuore continua ad essere pieno di odio, rancore, pigrizia, invidia, egoismo, autosufficienza, pregiudizio, brutti desideri, ingiustizie, corruzioni, discriminazioni.... In questi casi potremmo dire, in realtà, che abbiamo una maschera da cristiani che manteniamo solo in apparenza e siamo come sepolcri imbiancati... belli esternamente, ma pieni di marciume all'interno.

Senza dubbio questa non è la proposta di Gesù Cristo. Per lui non è interessante avere falsi seguaci. Il Signore non vuole che facciamo soli gesti esterni, ma che cambiamo il nostro cuore. Non serve a niente essere figlio di una cultura cristiana, se io non mi decido ad assumere e vivere il vangelo nella mia vita. A Dio non possiamo ingannarlo. Egli conosce i nostri cuori.

Con questo non vogliamo dire che le opere esterne non sono importanti. San Giacomo ci dice che la fede senza le opere è morta. Questo significa che, senza dubbio, la fede deve diventare visibile, riconoscibile. Chi ha fede chi crede nel vangelo, deve manifestarlo concretamente, nelle sue parole e nelle sue azioni. Quando si ha veramente fede, si è come una città costruita su una montagna che non può nascondersi. Ma l'azione deve essere espressione del cuore, e non un mero teatro per illudere agli altri.

Ci rimane la domanda: Sono veramente un cristiano e con le mie azioni lo manifesto? O le mie azioni sono pure apparenze, perché il mio cuore è duro come una pietra?

Realmente o evangelho de hoje nos põe diante de um problema que parece ser muito presente em toda a história da humanidade, e que hoje o sentimos muito particularmente: as aparências.

Como temos dito nas semanas anteriores, o ser humano somente pode exprimir-se através do seu corpo. Sua alma somente pode manifestar-se quando encontra um modo de fazer-se sensível, seja com a palavra, com o olhar, com o modo de vestir-se, com um gesto, com um toque de carinho.. Por isso é muito importante para nós o que se vê e o que se sente. Do mesmo modo somente podemos conhecer as demais pessoas de acordo com o que experimentamos delas: o que vemos, escutamos, sentimos...

O problema está no fato que os seres humanos tem a capacidade de manifestar não somente o que realmente são sua interioridade, mas também a capacidade de enganar, de gerar uma imagem diferente do que, de fato, são . Isto é uma verdadeira tentação em nossas vidas: mostrarmos muito melhores do que efetivamente somos. Nos preocupamos demasiado com o que os outros pensam de nós e por isso tentamos criar ilusões gerando neles uma imagem nossa que não nos corresponde.

Quantas vezes, por exemplo, diante de um pobre, quando estamos a sós, nem “Bom dia” lhe damos, mas quando estamos acompanhados, o saudamos bem e atendemos a sua súplica. Esta caridade seguramente não nasce generosidade do nosso coração, mas da preocupação com nossa imagem, é uma caridade somente aparente. Nosso pensamento não é o bem do pobre, mas nosso próprio bem. Tem o disfarce de caridade, mas é nosso egoísmo travestido.

A mesma coisa muitas vezes acontece com a nossa fé. Queremos parecer cristãos, devotos, crentes.. e por isso fazemos algumas práticas exteriores: vamos na igreja, usamos uma correntinha com uma cruz, fazemos o sinal da cruz, acendemos uma vela, colocamos alguma moeda no cofre da igreja... e assim mantemos a imagem de bom cristão.

O problema é que muitas vezes isso não passa de uma casca. As vezes nosso cristianismo é tão superficial que nosso coração continua cheio de ódios, rancores, preguiça, inveja, egoísmo, auto-suficiência, prejuízos, maus desejos, injustiças, corrupções, discriminações... Nesses casos poderíamos dizer, na verdade, que temos uma máscara de cristão, que mantemos somente uma aparência, que somos como sepulcros caiados... lindos por fora, mas cheios de podridão por dentro.

Sem duvidas esta não é a proposta de Jesus Cristo. Para ele não é interessante ter falsos seguidores. O senhor não quer que façamos somente gestos exteriores, mas sim que mudemos o nosso coração. Não serve para nada ser filhos de uma cultura cristã, se eu não nos decidimos de assumir e viver o evangelho em nossa vida. A Deus não podemos enganar. Ele conhece os nossos corações.

Com isso não queremos dizer que as obras exteriores não são importantes. São Tiago já nos disse que a fé sem obras é morta. Isto significa que, sem dúvidas, a fé tem que fazer-se visível, reconhecível. Quem tem fé, quem crê no evangelho, tem que manifestar-lo concretamente, em suas palavras e ações. Quando se tem verdadeiramente fé é como um cidade construída sobre uma montanha,que não se pode esconder. Mas a ação deve ser expressão do coração, e não mero teatro para iludir os demais.

Fica a nós a pergunta: sou verdadeiramente um cristão e com minhas ações o manifesto? Ou minhas ações são pura aparência, pois meu coração continua duro como uma pedra?

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales