“Allí le presentaron un sordo que hablaba con dificultad y le pidieron que le impusiera la mano. Jesús lo apartó de la gente, le metió los dedos en los oídos y con su saliva le tocó la lengua. Después, mirando al cielo, suspiró y dijo: “Effetà”, que quiere decir “Ábrete”. En seguida se le destaparon

“Pieni di stupore, dicevano: «Ha fatto bene ogni cosa: fa udire i sordi e fa parlare i muti!»” (Mc 7,37)

“E, admirando-se sobremaneira, diziam: Tudo faz bem; faz ouvir os surdos e talar os mudos” (Mc 7, 37)

Hno. Mariosvaldo Florentino

Septiembre - Viernes 04

Este domingo la Iglesia nos propone el relato de un milagro, la sanación de un hombre “sordomudo”. Los milagros de Jesús, mucho más que relataren un hecho, quieren ser un testimonio de la presencia actuante de Dios en medio de su pueblo, pero también portan en entrelíneas un mensaje para nuestra edificación.

¿Qué mensaje podría estar escondido por detrás de esta sanación?

Pienso que el gran mensaje de este texto es: Dios quiere sanarnos de nuestra sordera para que podamos hablar bien. Infelizmente, muchos de nosotros, para no decir todos, sufrimos de sordera. Nos cuesta escuchar a los demás.

Tantas veces pensamos que ya sabemos todo. Otras veces no tenemos paciencia para escuchar y en cuanto nos hablan ya estamos pensando en otras cosas. También sucede que escuchamos algunas palabras sueltas y pensamos que ya entendimos todo y que ya no necesitamos escuchar el resto. O aun por miedo de lo que puedan decirnos, nos llenamos de defensas que taponan nuestros oídos y hacen imposible que escuchemos.

El resultado de toda esta dificultad auditiva es que se hace imposible hablar o entonces lo que es aun peor, nos hace hablar mal, hacer juicios temerarios, distorsionando la realidad.

Nuestra sordera es la raíz de muchos de nuestros conflictos, desde los más pequeños hasta las más grandes guerras, pues sin poder escuchar al otro, sin conocer sus profundas motivaciones, sin ver sus razones, juzgamos saber todo y partimos para la agresión.

Ciertamente este no es el plan de Dios para nosotros. No creo que Dios nos haya regalado dos oídos para que los mantuviéramos taponados. Es por eso que Jesús sanó a este hombre.

Si leemos atentamente este texto, veremos que la sanación fue prácticamente solo del oído y la lengua consecuentemente quedó sana también.

Mirando mi historia personal puedo reconocer que muchos de mis errores fueron causados por no haber escuchado a los demás. Hice críticas que no eran justas. No supe aprovechar los consejos y experiencias de los demás. Tomé decisiones precipitadas cuando pensé que me habían fallado sin escuchar a estas personas para saber que es lo realmente había sucedido. Y tantas otras situaciones que me hacen desear, ser yo este sordo sanado por Jesús.

Quizás aquí en este texto esté expresado una de las marcas más fuertes de aquellos que quieren ser verdaderamente cristianos: personas que tengan la capacidad de escuchar, que sepan escuchar bien.

La cuestión se hace aun mas fuerte cuando nos damos cuenta que nuestra salvación, nuestra fe, nuestra renovación en Cristo sucede en primer lugar por escuchar la Palabra.

El primer mandamiento es: ESCUCHA Israel… Pero si no podemos escuchar, si somos “sordos”, ¿cómo Dios podrá entrar en nosotros? ¡Es imposible! Viviremos siempre perdidos en nosotros mismos. Hoy en día son muchos los que no consiguen escuchar a Dios y lo peor es que hasta ocurre lo mismo entre los que van asiduamente a la Iglesia. Sus oídos están taponados. La Palabra de Dios no hace nada en sus vidas. “Tienen oídos pero no oyen.” No toman a Dios en serio. Muchas veces sin haber escuchado las razones, solo saben criticar a la Iglesia por ciertas normas y por ciertos principios.

Meditando estas palabras del evangelio espontáneamente nace en mi corazón una suplica:

OH Jesús, llévame apartado de la gente, mete tu dedo en mis oídos y ordena “Effeta”. Sáname Señor de este mal.

Yo quiero escuchar. Escucharte en primer lugar, conocer tu voluntad y colocarla en práctica. Escuchar a mis hermanos, conocerlos profundamente para poder amarlos, pues solamente así se podrá sanar también el defecto de mi lengua.

La prima lettura della messa di questa domenica che è del profeta Isaia ci dice che: "Dio viene già... Allora si apriranno gli occhi dei ciechi e si schiuderanno gli orecchi dei sordi. Allora lo zoppo salterà come un cervo, griderà di gioia la lingua del muto." (Is 35 5-6).

Ciò vuol dire che questi miracoli sono segni messianici, cioè accadranno quando il Messia sarà presente in mezzo ad essi.

È per questo motivo che i vangeli ci raccontano molti di questi miracoli, come vediamo in questa domenica.

Le persone al tempo di Gesù conoscevano l'Antico Testamento. Esse sapevano che le promesse lì contenute si sarebbero realizzate con la venuta del Messia. Per questo motivo affermare che Gesù guariva i muti, i sordi, i ciechi e gli zoppi, era la prova concreta che egli era il Messia atteso.

In realtà, quando Giovanni Battista chiede ai suoi discepoli che domandino a Gesù se egli era realmente il Messia promesso, semplicemente Gesù risponde: "raccontate a Giovanni quello che avete visto e sentito: i ciechi vedono, gli zoppi camminano, i lebbrosi sono guariti, i sordi sentono, i morti resuscitano, si annuncia la Buona Notizia ai poveri." (Lc 7, 22). A chi voleva credere, bastavano questi segni per riconoscere in Gesù il Messia. Ma per quelli che non volevano credere, nessun segno sarebbe sufficiente per farlo.

Pertanto, il grande messaggio di questo vangelo è: Gesù è il Messia, il Cristo. Egli è il Dio che è venuto a visitarci. Egli è il verbo incarnato. Egli è colui che può guarirci dalle nostre infermità e darci la Vita vera.

Oltre questa grande verità, l'incarnazione di Dio che, insieme alla sua morte e resurrezione, sono il cuore del vangelo, noi possiamo meditare anche sul significato che possono avere per noi queste due cure: dell'udito (essere capace di ascoltare) e della lingua (essere capace di parlare bene). Non dobbiamo pensare solo al senso fisico-biologico del fatto. Gesù non ha nessun interesse ad essere considerato come un guaritore, senza importarsi del resto della vita. I segni che egli fa vogliono recuperare l'uomo nella sua totalità. Il senso di guarire l’udito di una persona, è quello di farlo capace di ascoltare in primo luogo Dio stesso che ci parla continuamente e in tanti modi, e poi, certamente, anche ascoltare gli altri. Forse questa è una delle peggiori malattie dell'umanità: non siamo capaci di ascoltare! Quante volte qualcuno ci sta parlando, ma noi non l'ascoltiamo. Stiamo lì, ma pensiamo ad altre cose. O quante volte fuggiamo delle persone perché non li vogliamo ascoltare, non abbiamo tempo, o non abbiamo pazienza. E quante volte non ascoltiamo, cioè non facciamo caso ai consigli che ci danno, perché pensiamo che è giusto solo quello che io penso. Quante volte la nostra preghiera dovrebbe essere un dialogo con Dio, non un monologo, dove noi parliamo e gli presentiamo le nostre liste di domande. È questo udito che deve essere guarito. Chiedere al Signore che ci dia di nuovo la capacità di ascoltare, di essere docili alla sua Parola. Senza dubbio è una guarigione necessaria, se dobbiamo inaugurare nelle nostre vite un tempo messianico.

L'altra guarigione che fece Gesù fu quella di dare la possibilità di parlare bene, perché quella persona parlava male. Sicuramente questo gesto può avere molti sensi. Quante volte, il nostro parlare è un parlare male, uno sparlare? Quante volte la nostra lingua è una spada affilata che ferisce e distrugge gli altri? Quante volte siamo muti in relazione alla Parola di Dio, o nel ringraziare per i benefici che abbiamo ricevuto, o nell’ elogiare qualcuno per il bene che fa? - Anche la nostra lingua deve essere guarita da Gesù. Dice san Giacomo "chi sa controllare la sua lingua, sa controllare tutto il suo corpo."

Tocca Signore i nostri orecchi e la nostra bocca. Guariscici dai mali che c'impediscono di essere quello che tu vuoi. Aiutaci ad utilizzare i nostri sensi per costruire il tuo Regno di Pace e di Amore.

A primeira leitura da missa deste domingo, que é do profeta Isaias, nos diz que : “ Deus já vem ... então os olhos dos cegos se despregarão, e os ouvidos dos surdos se abrirão, os coxos saltarão como cabrito e a língua dos mudos gritará de alegria.” (Is 35, 5-6) Isso significa dizer que esses milagres são sinais messiânicos, isto é, acontecerão quando o Messias estará presente no meio deles. É por isso que os evangelhos nos relatam muitos desses milagres, como vemos nesse domingo.

As pessoas da época de Jesus conheciam o Antigo testamento. Elas sabiam que as promessas contidas ali se realizariam com a vinda do Messias. Por isso afirmar que Jesus curava os mudos, os surdos, os cegos e os coxos, era demonstrar concretamente de que Ele era o Messias esperado.

De fato, quando João Batista pede a seus discípulos que perguntem a Jesus se ele era realmente o Messias prometido, Jesus simplesmente responde: “Contem a João o que vocês viram e ouviram: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, se anuncia a Boa Nova aos pobres (Lc 7, 22). Para quem queria crer, bastavam esses sinais para reconhecer em Jesus o Messias. Mas para aqueles que não queriam crer, nenhum sinal seria suficiente para fazê-los crer.

Portanto, a grande mensagem do Evangelho é : Jesus é o Messias , o Cristo. Ele é o Deus que nos veio visitar. Ele é o verbo encarnado. Ele é aquele que pode curar-nos de nossas doenças e dar-nos a Vida verdadeira.

Porém alem desta grande verdade (a encarnação de Deus, que junto a sua morte e ressurreição, são o coração do Evangelho), nós podemos também meditar sobre o significado que pode ter para nós essas curas: do ouvido (ser capaz de escutar) e da língua (ser capaz de falar bem ).

Não devemos pensar somente ao sentido físico-biológico do fato. Jesus não tem nenhum interesse em ser um médico prestigioso, que faz, por exemplo, operações aos olhos, dando assim as pessoas a possibilidade de recuperar a visão, sem importar-se com a totalidade de suas vidas. Os sinais que Ele faz querem recuperar o homem em sua totalidade. O sentido de curar os ouvidos de uma pessoa , é fazer-la capaz de escutar, em primeiro lugar a Deus mesmo que nos fala continuamente e de muitos modos, e por certo também escutar os demais. Talvez esta seja uma das piores enfermidades da humanidade: não somos capazes de escutar! Quantas vezes alguém nos está falando, mas nós não o escutamos. Estamos ali, mas pensamos em outras coisas. Ou quantas vezes fugimos das pessoas porque não queremos escutá-las, não temos tempo, ou não temos paciência. Ou então, quantas vezes não escutamos (isto é, não fazemos caso dos conselhos que nos dão) porque pensamos que somente o que eu penso é o correto. Quantas vezes nossa oração, que deveria ser um dialogo com Deus, não passa de um monologo no qual somente nós falamos e apresentamos nossas listas de pedidos. É esse ouvido que necessita ser curado. Peçamos ao Senhor que nos dê a capacidade de escutar, de ser dóceis a sua Palavra. Sem dúvidas é uma cura necessária se queremos inaugurar em nossas vidas um novo tempo messiânico.

A outra cura que fez Jesus foi dar a possibilidade de falar bem, pois era uma pessoa que falava mal. Seguramente esse gesto pode ter muitos sentidos. Quantas vezes, nosso falar é um falar mal? Quantas vezes nossa língua é uma espada afiada que fere e destrói aos demais? Quantas vezes somos mudos em relação a Palavra de Deus, ou em agradecer os benefícios que recebemos, ou em elogiar a alguém por o bem que faz? Também nossa língua necessita ser curada por Jesus. Diz São Tiago, “quem sabe controlar a sua língua, sabe controlar todo seu corpo.”

Toca Senhor nossos ouvidos e nossa boca. Cura-nos de todos os males que nos impedem de ser o que tu queres. Ajuda-nos a utilizar nossos sentidos para construir o Reino de Paz e de amor.

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales