“Tomen; esto es mi cuerpo.” (Mc 14, 22)

Prendete, questo è il mio corpo.

“Tomem; esse é meu corpo.” (Mc 14, 22)

Hno. Mariosvaldo Florentino

Junio - Viernes 05

Gotas de Paz – 654

En muchos países este domingo se celebra la solemnidad de Corpus Christi, en otros ya se celebró el jueves. De todos modos propongo una sencilla reflexión sobre este gran misterio.

Ciertamente la eucaristía es, entre los dones de Dios confiados a la Iglesia, uno de los más preciosos, y esto lo confirma el propio nombre: “Santísimo Sacramento”. Jesús encontró un modo sencillo pero muy fuerte de permanecer en nuestro medio, y alimentarnos en todo nuestro caminar hacia Dios.

El primer recuerdo que nos viene en mente es el ‘Maná’ del desierto, que regalado de Dios todos los días de igual modo para todos, y sin poder acumular, hizo con que aquella gente cambiara la mentalidad y aprendiera a compartir, a vencer el egoísmo, a ser solidarios. También la eucaristía quiere ser una escuela de Dios. A través de la comunión frecuente, Dios quiere ir transformando nuestros valores, nuestros proyectos, nuestras actitudes, nuestros sentimientos en los mismos que tenía y vivía Jesús. Interesante notar que: comunión no es sólo comer, sino también meditar, rezar y sentirse desafiado a dar un nuevo paso en la dirección del Único Bien.

En segundo lugar la eucaristía es memorial permanente de la pasión, muerte y resurrección de Cristo. “Es cuerpo entregado por vosotros... es sangre derramada por vosotros” No es un cuerpo cualquier, es cuerpo entregado, donado, sacrificado... no es una sangre cualquiera, es sangre derramada, oferta, versada... Por eso la eucaristía nos hace recordar un proyecto de Vida. Nos desafía: “Hagan esto en memoria mía.” Mientras, tantas veces, solamente pensamos en nosotros mismo, ¿cómo ganar más?; ¿dónde tener ventajas?; ¿cómo vengarme? La eucaristía es sacramento de la donación completa. Es la propuesta de una otra lógica para vivir en el mundo.

En tercer lugar la eucaristía y la Iglesia participan del mismo misterio: ambas son cuerpo de Cristo, ambas hacen presente a Jesucristo en nuestras vidas. Y ellas están íntimamente ligadas, a tal punto que no se puede hacer eucaristía sin la Iglesia, así como también sin la eucaristía la Iglesia no puede sobrevivir. San Agustín decía que cuando comulgamos recibimos lo que nosotros somos. No podemos disociar y creer que se puede adorar el cuerpo de Cristo en la Hostia Santa, y despreciar su otro cuerpo: la Iglesia.

En cuarto lugar debo decir una palabrita sobre el domingo: Día del Señor. Qué bueno sería si nosotros tuviéramos a Dios en el primer puesto en nuestras vidas. Si en el domingo lo más importante para nosotros fuera participar de la misa en la comunidad, y también dedicarlo a la familia, a la recreación y al reposo. Sin tener que inventar excusas, o decir que no tuve tiempo, o que estaba muy cansado, o que tenía otros quehaceres.

¡Sin Dios no somos nada! Sin él no vivimos, solamente vagamos en la vida.

Dios se ofrece para estar en comunión con nosotros, pero la comunión entre dos personas no sucede cuando solo una quiere. La comunión exige voluntad y empeño de ambos.

Jesús se ofrece como pan vivo bajado del cielo, capaz de transformarnos interiormente y darnos una vida sin límites, pero para “comer de este pan”, para estar en comunión con él yo debo integrarme a su cuerpo, esto es, a la Iglesia. Porque es solamente a través de ella, cuando celebra la eucaristía, que yo puedo alimentarme de este pan vivo que nos da vida eterna.

Querido hermano, querida hermana que Dios nos dé la gracia de fundar nuestras vidas, sea como padres o madres de familia, como jóvenes o ancianos, como sacerdotes o laicos, en la eucaristía. Que ella sea la fuente de nuestro amor, de nuestra paciencia, de nuestra caridad y de nuestra esperanza, y hacia ella concurra todas nuestras fuerzas, todo nuestro empeño y toda nuestra energía.

Pues así, en nosotros ya habrá empezado la vida eterna.

El Señor te bendiga y te guarde,

El Señor te haga brillar su rostro y tenga misericordia de ti.

El Señor vuelva su mirada cariñosa y te dé la PAZ.

Hno Mariosvaldo Florentino, capuchino

Gocce di Pace - 424

Nell’Italia in questa domenica si celebra la solennità del Corpo di Cristo, che in altri tempi si celebrava il giovedì. Perciò, propongo una semplice riflessione su questo gran mistero. Certamente l'eucaristia è, tra i doni che Dio ha affidato alla Chiesa, uno dei beni più preziosi, e questo lo conferma il proprio nome: “ Santissimo Sacramento”. Gesù trovò un modo semplice ma molto forte di rimanere in mezzo a noi ed alimentarci in tutto il nostro camminare verso Dio.

Il primo ricordo che ci viene in mente è il “Manna” del deserto. Dio lo ha donato in modo uguale a tutti, ogni giorno per quaranta anni. Questo cibo non poteva essere accumulato, ognuno solo poteva prenderne il necessario, e questo ripetuto quotidianamente fece quella gente cambiare la mentalità, hanno imparato a condividere, a vincere l'egoismo, ad essere solidale.

Anche l'eucaristia vuole essere questa scuola di Dio. Attraverso la comunione frequente, Dio vuole continuare a trasformare i nostri valori, nostri progetti, i nostri atteggiamenti, i nostri sentimenti negli stessi che teneva e viveva Gesù. È interessante notare che comunione che non è solo mangiare, ma anche meditare, pregare e sentirsi sfidato a fare un nuovo passo nella direzione dell'Unico Bene.

In secondo luogo l'eucaristia è memoriale permanente della passione, morte e resurrezione di Cristo. “È corpo offerto per voi... è sangue versato per voi”. Non è dunque un corpo qualunque: è corpo offerto, donato, sacrificato... non è un sangue qualunque: è sangue versato, donato, offerto.... ci fa ricordare un progetto di Vita e ci sfida: “Fate questo in memoria di me”. Mentre, tante volte, solamente pensiamo a noi stessi, a come guadagnare; da dove avere vantaggi; a come vendicarsi. L’eucaristia è sacramento della donazione completa. È la proposta di un'altra logica per vivere in questo mondo.

In terzo luogo l'eucaristia e la Chiesa condividono lo stesso mistero: entrambe sono corpo di Cristo, entrambe fanno presente Gesù Cristo nelle nostre vite. Ed esse sono intimamente legate, a tale punto che non si può fare l’eucaristia senza la Chiesa, così come senza l'eucaristia la Chiesa non può sopravvivere. Sant’Agostino diceva che quando comunichiamo riceviamo quello che noi siamo, cioè riceviamo il corpo di Cristo, che è quello che siamo come membri della Chiesa. Che l'eucaristia sia la nostra forza.

In quarto luogo devo dire una parola sulla domenica, giorno del Signore. Che bello sarebbe se noi mettessimo Dio al primo posto nelle nostre vite; se la domenica la cosa più importante per noi fosse il partecipare alla messa con la comunità, ed anche dedicarla alla famiglia, allo svago e al riposo. Senza dovere inventare scuse, o dire di non avere tempo, o che si è molto stanchi, o che si hanno altre cose da fare.

Senza Dio non siamo niente! Senza lui non viviamo, vaghiamo nella vita.

Dio si offre per stare in comunione con noi, ma la comunione tra due persone non avviene se è uno solo a volerla. La comunione esige volontà ed impegno di entrambi.

Gesù si offre come pane vivo disceso dal cielo, capace di trasformarci interiormente e darci una vita senza limiti, ma per "mangiare" di questo pane, per stare in comunione con lui io devo integrarmi nel suo corpo, cioè nella Chiesa. Perché è solo attraverso essa, quando si celebra l'eucaristia, che io posso alimentarmi di questo pane vivo che ci dà la vita eterna.

Caro fratello, cara sorella che Dio ci dia la grazia di fondare le nostre vite, sia come genitori o madri di famiglia, come giovani o anziani, come sacerdoti o laici, nell'eucaristia. Che ella sia la fonte del nostro amore, della nostra pazienza, della nostra carità e della nostra speranza, e verso lei concorrano tutte le nostre forze, tutto il nostro impegno e tutta la nostra energia.

Perché così, in noi avrà già avuto inizio la vita eterna.

Il Signore vi benedica e vi protegga,

Il Signore faccia risplendere il suo viso su di voi e vi doni la sua misericordia.

Il Signore volga il suo sguardo su di voi e vi doni la sua Pace.

Fra Mariosvaldo Florentino, cappuccino

Gotas de Paz – 614

Em muitos países neste domingo se celebra a solenidade de Corpus Christi, em outros já se celebrou quinta-feira. De todos os modos proponho uma simples reflexão sobre esse grande mistério.

Certamente a eucaristia é, entre os dons de Deus confiados a Igreja, um dos mais preciosos, e isto é confirmado do próprio nome: “Santíssimo Sacramento”. Jesus encontrou um modo simples mas muito forte de permanecer em meio a nós, e alimentar-nos em todo o nosso caminhar para Deus .

A primeira lembrança que nos vem em mente é o ‘Maná’ do deserto, que como presente de Deus todos os dias de igual modo para todos, e sem poder acumular, fez com que aquela gente mudasse a mentalidade e aprendesse a compartilhar, a vencer o egoísmo, a ser solidários. Também a eucaristia quer ser uma escola de Deus. Através da comunhão freqüente, Deus quer ir transformando os nossos valores, os nossos projetos, as nossas atitudes, os nossos sentimentos nos mesmos que tinha e vivia Jesus. Interessante notar que: comunhão não é somente comer, é também meditar, rezar e sentir-se desafiado a dar um novo passo na direção do Único Bem.

Em segundo lugar a eucaristia é memorial permanente da paixão, morte e ressurreição de Cristo. “É corpo entregue por vós ... é o sangue derramado por vós” Não é um corpo qualquer, é o corpo entregue, doado, sacrificado ... não é um sangue qualquer, é o sangue derramado, oferto, versado ... Por isso a eucaristia nos faz recordar um projeto de Vida. Nos desafia: “façam isto em memória de mim.” Enquanto, tantas vezes, somente pensamos em nós mesmos – como ganhar mais?; onde ter vantagens ?; como vingar-me? - a eucaristia é o sacramento da doação completa. É a proposta de uma outra lógica para viver no mundo.

Em terceiro lugar a eucaristia e a Igreja participam do mesmo mistério: ambas são o corpo de Cristo, ambas fazem presente Jesus Cristo em nossas vidas. Elas estão intimamente ligadas, a tal ponto que não se pode fazer eucaristia sem a Igreja, assim como também sem a eucaristia a Igreja não pode sobreviver. Santo Agostinho dizia que quando comungamos recebemos o que nós somos. Não podemos dissociar e crer que se pode adorar o corpo de Cristo na Hóstia Santa, e depreciar seu outro corpo: a Igreja .

Em quarto lugar devo dizer uma palavrinha sobre o domingo: Dia do Senhor. Que bom seria se nós tivéssemos Deus em primeiro lugar em nossas vidas. Se no domingo o mais importante para nós fosse o participar da missa da comunidade, e também dedicar a família, a recreação e ao repouso. Sem ter que inventar desculpas, ou dizer que não tive tempo, o que estava muito cansado, ou que tinha outros afazeres.

Sem Deus não somos nada! Sem Ele não vivemos, somente vagamos na vida.

Deus se oferece para estar em comunhão conosco, mas a comunhão entre duas pessoas não acontece quando somente uma quer. A comunhão exige vontade e empenho de ambos.

Jesus se oferece como pão vivo descido do céu, capaz de transformar-nos interiormente e dar-nos uma vida sem limites, mas para “comer deste pão”, para estar em comunhão com ele eu devo integrar-me em seu corpo, isto é, na Igreja. Porque é somente através dela, quando celebra a eucaristia, que eu posso alimentar-me deste pão vivo que nos da vida eterna.

Querido irmão, querida irmã que Deus nos dê a graça de fundar nossas vidas, seja como pais ou mães de família, como jovens ou anciãos, como sacerdotes ou leigos, na eucaristia. Que ela seja a fonte de nosso amor, de nossa paciência, de nossa caridade e de nossa esperança, e através della conduza todas as nossas forças, todo nosso empenho e todas as nossa energias

Pois assim, em nós já terá começado a vida eterna.

O Senhor te abençoe e te guarde,

O Senhor faça brilhar sobre ti o seu rosto e tenha misericórdia de ti.

O Senhor mostre o seu olhar carinhoso e te dê a PAZ.

Frei Mariosvaldo Florentino, capuchinho.

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales