"Y Jesús se admiraba de la incredulidad de sus conocidos." Mc. 6, 6

"E Gesù si meravigliava dell'incredulità dei suoi conoscenti." Mc. 6, 6

"E Jesús admirava-se da incredulidade dos seus conhecidos." Mc. 6, 6

Hno. Mariosvaldo Florentino

Julio - Viernes 03

Gotas de Paz – 658

El evangelio de este domingo nos presenta un momento muy importante de la vida de Jesús: su retorno a la ciudad donde había vivido con sus padres y donde estaban todos sus parientes. En el capitulo anterior Marcos ya nos dijo que sus parientes habían ido a Cafarnaúm con la intención de llevarlo a casa, pues creían que El no estaba bien mentalmente.

Estos dos eventos nos manifiestan, lo difícil que fue para las personas más cercanas a Jesús aceptar el misterio de su vida. Esto nos revela en primer lugar que Jesús, antes de iniciar su ministerio público era una persona completamente inmersa en lo común de la vida. Jesús no fue un niño diferente de los otros. No fue un joven especial. Ciertamente él vivió todo el tiempo de su vida allí con sus padres, frecuentaba la Sinagoga, trabajaba con José en la carpintería. Suposiciones esotéricas de que Jesús habría estado fuera de Palestina, para ser iniciado en "cosas raras", son completamente desconocidas del relato evangélico.

El gran problema fue que consideraron a Jesús igual a todos los demás de Nazareth, ellos no eran capaces de darse cuenta que el mismo Jesús que ellos conocían era el propio Dios en medio de ellos. En los otros pueblos donde El predicaba, muchos creían en él, muchos fueron sanados, muchos se convirtieron y quisieron seguirlo, pero en Nazareth esto no sucedió. El hecho de que estaban acostumbrados a verlo en el cotidiano les hizo ciegos e incapaces de reconocerlo. Y así, Jesús no pudo hacer milagros en medio a ellos.

Aun hoy existen muchas personas que escuchan su Palabra, otros hasta participan de la misa, reciben el sacramento de su cuerpo, pero no creen verdaderamente en la divinidad de Jesús. Muchos piensan en Jesús solamente como un gran hombre, otros, máximo como un espíritu iluminado, pero se resisten a creer que él es realmente el Hijo de Dios vivo, el Dios que se hizo carne y que continúa actuando en los sacramentos de la Iglesia.

Aun hoy Jesús continúa admirándose con incredulidad de muchos que hasta se llaman cristianos. Y es por eso, que aun hoy él no puede hacer muchos milagros. Es por eso que muchos, aun estando en contacto con Jesús, no son transformados en sus vidas.

Es verdad que es muy importante comprender y aceptar la humanidad de Jesús. Tenerlo como un amigo, muy cercano a nosotros, que nos entiende como somos. Pero si nos olvidamos que él es también Dios, reducimos muchísimo su posibilidad de acción en nuestras vidas. No podemos reducir el ser de Jesús a un simple amigo como los demás que tenemos. Es verdad que él es nuestro gran amigo, pero es siempre un Dios-amigo, un Dios-hermano. Es siempre alguien que ama y enseña a amar. Él nos escucha, pero tiene algo muy importante que decirnos y no será jamás cómplice en nuestras maldades. Y espera ser aceptado no sólo en su igualdad con nosotros, sino también ser creído en su infinita diferencia. Él es hombre como nosotros, pero nos supera infinitamente, pues es nuestro Dios-salvador.

Señor Jesús, danos la fe. Ayúdanos a creer firmemente que tú eres nuestro redentor. Ayúdanos para que como miembros de tu nuevo pueblo, la Iglesia, podamos creer en tu poder, en tu palabra, en tu presencia salvadora, y así en medio de nosotros tú puedas realizar muchas maravillas.

El Señor te bendiga y te guarde,

El Señor te haga brillar su rostro y tenga misericordia de ti.

El Señor vuelva su mirada cariñosa y te de la PAZ.

Hno Mariosvaldo Florentino, capuchino

Gocce di Pace - 428

Il vangelo di questa domenica ci presenta un momento molto importante della vita di Gesù: il suo ritorno nella città dove aveva vissuto coi suoi genitori e dove stavano tutti i suoi parenti. Nel capitolo precedente, Marco ci aveva già detto di come i suoi parenti erano andati a Cafarnao con l'intenzione di portarlo a casa, perché credevano che Egli avesse qualche problema psicologico.

Questi due eventi ci manifestano quanto difficile è stato per le persone più vicine a Gesù di accettare il mistero della sua vita. Questo ci rivela in primo luogo che Gesù, prima di iniziare il suo ministero pubblico, era una persona completamente immersa nella quotidianità della vita. Gesù non era stato un bambino diverso dagli altri. Non era stato un giovane particolare. Egli aveva vissuto lì tutto il tempo della sua vita coi suoi genitori, aveva frequentato la Sinagoga, aveva lavorato con Giuseppe nella falegnameria. Tutte le supposizioni esoteriche che Gesù sarebbe stato fuori dalla Palestina, per essere iniziato in "cose rare", sono completamente assurde e rivelano una grande ignoranza del racconto evangelico.

Il grande problema nella sua terra nativa fu che considerarono Gesù uguale a tutti gli altri di Nazareth ed essi non riuscivano a capacitarsi che lo stesso Gesù che essi conoscevano era il proprio Dio in mezzo a loro. Negli altri paesini dove Egli aveva predicato, molti avevano creduto in Lui, molti erano stati guariti, molti si erano convertiti e lo avevano seguito, ma a Nazareth questo non era successo. Il fatto che erano abituati a vederlo nel quotidiano li rese ciechi ed incapaci di riconoscerlo. E così, Gesù non poteva compiere molti miracoli in mezzo a loro.

Anche oggi esistono molte persone che ascoltano la sua Parola, partecipano alla messa, ricevono l’Eucaristia, però non credono veramente nella divinità di Gesù. Molti pensano solo a Gesù come un grande uomo, altri, al massimo, come uno spirito illuminato, ma resistono a credere che Egli è realmente il Figlio di Dio vivo, il Dio che si è fatto carne e che continua ad agire nei sacramenti della Chiesa.

Oggi Gesù continua a stupirsi dell’incredulità di molti che si fanno chiamare cristiani. E’ per questo motivo che oggi Egli non può fare molti miracoli. È per questo motivo che molti, pure stando in contatto con Gesù, non hanno trasformato la propria vita.

È bello e molto importante, comprendere ed accettare l'umanità di Gesù. Considerarlo come un amico molto vicino che capisce come siamo realmente. Ma se ci dimentichiamo che Egli è anche Dio, riduciamo moltissimo la sua possibilità di azione nelle nostre vite. Non possiamo ridurre l'essere di Gesù ad un semplice amico, come quelli altri che abbiamo. È vero che Egli è il nostro grande amico, ma non possiamo dimenticare che è sempre un Dio-amico, un Dio-fratello. È sempre qualcuno che ama ed insegna ad amare. Egli c'ascolta, ma ha qualcosa di molto importante da dirci. Non sarà mai complice delle nostre malvagità. E spera di essere accettato non solo nella sua uguaglianza con noi, ma anche nella sua infinita differenza. Egli è uomo come noi, ma ci supera infinitamente perché è il nostro Dio-Salvatore.

Signore Gesù, dai a noi la fede. Aiutaci a credere fermamente che tu sei il nostro redentore. Aiutaci affinché come membri del tuo nuovo Popolo, la Chiesa, possiamo credere nel tuo potere, nella tua parola, nella tua presenza salvatrice, e possa, in mezzo a noi, realizzare molte meraviglie.

Il Signore ti benedica e ti conservi,

Il Signore ti faccia brillare il suo viso ed abbia misericordia di te.

Il Signore volga il suo sguardo affettuoso e ti doni la sua Pace.

Fra Mariosvaldo Florentino, cappuccino

Gotas de Paz – 618

O evangelho deste domingo nos apresenta um momento muito importante da vida de Jesus: seu retorno à cidade onde tinha morado com seus pais e aonde estavam todos os seus parentes. No capítulo anterior, Marcos já nos disse que seus parentes tinham ido a Cafarnaum com a intenção de levá-lo a casa, pois achavam que Ele não estava bem mentalmente.

Estes dois acontecimentos nos demonstram, como foi difícil para as pessoas mais próximas a Jesús aceitar o mistério da sua vida. Isto nos revela, em primeiro lugar, que Jesus, antes de iniciar seu ministério público era uma pessoa completamente integrada à vida comum. Jesus não foi um menino diferente dos outros. Não foi un jovem especial. Certamente ele morou todo o tempo da sua vida ali com seus pais, frecuentava a Sinagoga, trabalhava com José na carpintaria. Suposições esotéricas de que Jesus tenha estado fora da Palestina, para ser iniciado em "coisas estranhas", são completamente desconhecidas do relato evangélico.

O grande problema foi que consideraram a Jesus igual a todos os demais de Nazareth. Eles não eram capaces de perceber que o mesmo Jesus que eles conheciam era o próprio Deus no meio deles. Nas outras cidades onde Ele predicava, muitos acreditavam Nele, muitos foram curados, muitos se converteram e quiseram segui-lo, mas em Nazareth isto não aconteceu. O fato de que estavam acostumados a vê-lo no cotidiano, os deixou cegos e incapazes de reconhecê-lo. E assim , Jesus não pode fazer milagres no meio deles.

Ainda hoje existem muitas pessoas que escutam sua Palavra, outros até participam da missa, recebem o sacramento do seu corpo, mas não acreditam verdadeiramente na divindade de Jesus. Muitos pensam em Jesus somente como um grande homem, outros, no máximo, como um espírito iluminado, mas se resistem a acreditar que Ele é realmente o Filho de Deus vivo, o Deus que se fez carne e que continua intervindo nos sacramentos da Igreja.

Ainda hoje, Jesus continua admirando-se da incredulidade de muitos que até se chamam cristãos. E é por isso, que ainda hoje Ele não pode fazer muitos milagres. É por isso que muitos, ainda que estando em contacto com Jesus, não são transformados em suas vidas.

É verdade que é muito importante comprender e aceitar a humanidade de Jesus. Tê-lo como um amigo, muito próximo a nós , que nos entende como somos. Mas se nos esquecermos de que Ele também é Deus, reduzimos muitíssimo sua possibilidade de ação em nossas vidas. Não podemos reduzir o ser de Jesus a um simples amigo como os demais que temos. É verdade que Ele é nosso grande amigo, mas é sempre um Deus-amigo, um Deus-irmão. É sempre alguém que ama e ensina a amar. Ele nos escuta, mas tem algo muito importante para dizer-nos. Não será jamais cúmplice de nossas maldades. Ele espera ser aceito não só em sua igualdade conosco, mas ser aceito em sua infinita diferença. Ele é homem como nós, mas nos supera infinitamente, pois é nosso Deus–salvador.

Senhor Jesús, dá-nos fé. Ajuda-nos a crer firmemente que Tu eres nosso redentor. Ajuda-nos para que como membros de teu povo, a Igreja, possamos acreditar no teu poder, na tua palavra, na tua presença salvadora, afim de que assim, em nosso meio, Tu possas realizar muitas maravilhas.

Que o Senhor vos abençoe e vos guarde.

Que o Senhor mostre a sua face e lhes seja favorável!

Que o Senhor volva o seu rosto misericordioso e lhes de a paz.

Frei Mariosvaldo Florentino, capuchinho.

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales