La perseverancia en la oración

“Ebbene io vi dico: Chiedete e vi sarà dato, cercate e troverete, bussate e vi sarà aperto. Perché chi chiede ottiene, chi cerca trova, e a chi bussa sarà aperto". Lc11,9-10.

“E eu vos digo: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo aquele que pede, recebe; aquele que procura, acha; e ao que bater, se lhe abrirá. .” (Lc 11, 9-10)

Hno. Mariosvaldo Florentino

Julio - Domingo 24

“Pidan y se les dará, busquen y hallarán, llamen a la puerta y les abrirán. Porque todo el que pide recibe, y el que busca halla, y, al que llame a una puerta se le abrirá.” (Lc 11, 9-10)

En este fin de semana la liturgia nos hace celebrar el misterio de la oración y su importancia en nuestras vidas.

Uno de los discípulos pidió a Jesús que les enseñara a orar. Y él les enseñó el Padre Nuestro y después les hizo un discurso sobre la importancia de la oración.

El Padre Nuestro es sin dudas, la mejor oración que tenemos pues nos fue entregado por el propio Dios que se hizo carne. A veces me asusto cuando algunas personas, aunque con muy buena intención, atribuyen poderes casi mágicos a otras oraciones y colocan en un segundo plano la oración del Padre Nuestro. No digo que no tengamos bellísimas oraciones, muchas de ella hechas por santos, y que nos ayudan a rezar mejor, pero ninguna se puede comparar con aquella que nos dio Jesús.

Nos decía santa Teresa De Avila, que quien quisiera hacer una hora de buena oración, bastaría hacer en este tiempo un Padre Nuestro, meditando en sus palabras, y esto seria suficiente. Seguramente esta es una mujer que aprendió a rezar con Jesús.

El Padre Nuestro es una oración completa. Allí damos gloria a Dios, no porque El tenga necesidad de nuestras alabanzas, sino porque para nosotros es fundamental reconocer su gloria a fin que podamos descubrir quienes somos y hacia donde debemos ir. En el Padre Nuestro nos abrimos a la acción de Dios y expresamos nuestra confianza en su gracia. Decir “hágase tu voluntad” es muy comprometedor, pero es el único camino para nuestra real felicidad. Dentro de esto “hágase”, le presentamos nuestras necesidades: el pan cotidiano; el perdon; la protección. Pero después de darnos esta maravillosa oración, Jesús insiste mucho sobre la importancia de orar.

El tema central de su discurso es la perseverancia. Nuestra oración debe ser perseverante. La debemos hacer con insistencia. No basta decir: ya le pedí una vez, ahora solo me resta esperar. Es en la constancia de la oración, que reside su eficacia. El ejemplo que nos da Jesús del hombre que en la madrugada insiste con el vecino hasta que se le atienda, si no por amistad, al menos para no ser más molestado, es muy claro. También nosotros debemos pedir y pedir, llamar y llamar hasta que el Señor nos escuche.

Con todo, es importante tener claro, que existen tres clases de cosas que podemos pedir a Dios:

a) cosas que colaboran para nuestra salvación, para nuestro crecimiento como personas;

b) cosas que son indiferentes para la vida en Dios, pero que nos ayudarán a ser mas felices en ciertas situaciones;

c) y otras cosas que, aunque no nos demos cuenta, nos harán daño o al menos colocará en peligro nuestra salvación.

En cuanto a las primeras, podremos decir que Dios es el primer interesado en nuestra salvación. Este es el regalo que él más nos quiere dar, y no negará a nadie que lo pida.

En cuanto a las segundas, dependerán de nuestra insistencia, de la motivaciones que tengamos. Del como las pedimos. Del cuanto realmente son importantes para nosotros. (Como un padre de familia siente placer en regalar a su hijo, en alguna oportunidad especial, alguna cosa, que sabe que lo desea mucho porque siempre lo pide, aunque no sea esencial para su vida, así también Dios hace con nosotros).

Mas, si nosotros le pedimos una cosa que no nos hará bien, o nos puede hacer daño, es natural que él no nos conceda, aunque pasemos toda la vida insistiendo. Dios es nuestro padre y por sobretodo nos quiere defender y proteger. Así como, a un niño pequeñito que pide a sus padres un cuchillo afilado, ellos por cierto le negarán, aunque él pida entre lágrimas, también a nosotros, porque nos ama, Dios algunas veces no nos atiende.

Pero no nos olvidemos, orar no es solo hacer listas de pedidos. Es también agradecer, reconocer los beneficios, conocer todo lo que ya hizo Dios y alabarlo. Y por sobre todo, oración es dialogo, no es monologo. Debemos estar también dispuestos a escuchar a Dios, a contemplarlo, a dejarse tocar por él.

La oración debe volverse en nuestra vida “respiración de amor”

El Señor te bendiga y te guarde,

El Señor te haga brillar su rostro y tenga misericordia de ti.

El Señor vuelva su mirada cariñosa y te dé la PAZ.

In questo fine settimana la liturgia ci fa celebrare il mistero Della preghiera e la sua importanza nelle nostre vite.

Uno dei discepoli chiese a Gesù che insegnasse loro a pregare. Ed egli insegnò loro il Padre Nostro. Dopo diede loro una spiegazione su ciò.

Il Padre Nostro è, senza dubbio, la migliore preghiera che abbiamo. Ci fu consegnata dal proprio Dio che si è fatto carne.

A volte mi spavento quando alcune persone, benché con molta buona intenzione, attribuiscono quasi poteri magici ad altre preghiere e collocano in un secondo piano la preghiera del Padre Nostro. Non dico che non abbiamo altre belle preghiere, molte di loro fatte dai santi e che ci aiutano a pregare meglio, ma nessuna può paragonarsi a quella che ci ha dato Gesù. Diceva Santa Teresa D' Avila che chi avesse voluto fare un'ora di buona preghiera, non doveva fare altro che recitare un Padre Nostro, meditando sulle sue parole e questo sarebbe stato sufficiente. Sicuramente questa è stata una donna che ha imparato a pregare con Gesù.

Il Padre Nostro è una preghiera completa. Lì diamo gloria a Dio, non perché Egli abbia bisogno delle nostre lodi, bensì perché per noi è fondamentale riconoscere la sua gloria al fine di scoprire chi sismo e verso dove dobbiamo andare. Nel Padre Nostro ci apriamo all'azione di Dio ed esprimiamo la nostra fiducia nella sua grazia. Dire "sia fatta la tua volontà" è molto compromettente, ma è l'unica strada per la nostra reale felicità.

Dentro questo "sia fatta", gli presentiamo le nostre necessità: il pane quotidiano; il perdono; la protezione. Ma dopo averci dato questa meravigliosa preghiera, Gesù insiste molto sull'importanza di pregare. Il tema centrale della sua preghiera è la perseveranza. La nostra preghiera deve essere perseverante. Dobbiamo farla con insistenza. Non basta dire: gli ho chiesto già una volta, ora mi rimane da sperare. È nella costanza della preghiera, che risiede la sua efficacia. L'esempio che ci dà Gesù dell'uomo che di notte insiste col vicino fino a che egli lo abbia soddisfatto, se non per amicizia, almeno per non essere più disturbato, è molto chiaro. Anche noi dobbiamo chiedere e chiedere, chiamare e chiamare fino a che il Signore ci ascolti.

E' importante avere chiaro che esistono tre classi di cose che possiamo chiedere a Dio:

a- cose che contribuiscono per la nostra salvezza, per la nostra crescita come persone;

b- cose che sono indifferenti per la vita con Dio, ma che ci aiuteranno a essere felici in certe situazioni;

c- altre cose che, benché non ci rendiamo conto, ci faranno male o almeno metteranno in pericolo la nostra salvezza.

In quanto alle prime, potremo dire che Dio è il primo interessato alla nostra salvezza. Questo è il regalo che egli più ci vuole dare, e non la negherà a nessuno che la chieda.

In quanto alle seconde, dipenderanno dalla nostra insistenza, dalle motivazioni che abbiamo, del come chiediamo quelle cose, del quanto realmente sono importanti per noi. Come un padre di famiglia sente piacere nel regalare a suo figlio, in alcune situazioni speciali, la cosa che sa che desidera di più, perché la chiede sempre, anche se non è essenziale per la sua vita, così, allo stesso modo, Dio fa con noi.

Ma, se noi gli chiediamo una cosa che non può fare del bene, o addirittura può farci danno, è naturale che egli non ce la concederà, benché passiamo tutta la vita a chiedere con insistenza. Dio è nostro Padre e per questo ci vuole difendere e proteggere. Come ad un bambino piccolino che chiede ai suoi genitori un coltello affilato, essi sicuramente glielo negheranno, benché egli chieda piangendo, anche a noi, perché ci ama, a volte Dio non ci esaudisce.

Ma non ci dimentichiamo, pregare non è solo fare domande intelligenti. È anche ringraziare, riconoscere i benefici, conoscere tutto quello che ha fatto Dio e lodarlo. E, soprattutto, la preghiera è dialogo, non è monologo. Dobbiamo essere anche disposti ad ascoltare Dio, a contemplarlo, a lasciarsi toccare da lui.

La preghiera deve esistere nella nostra vita come "respirazione di amore”

Il Signore vi benedica e vi protegga,

Il Signore faccia risplendere il suo viso su di voi e vi doni la sua misericordia.

Il Signore volga il suo sguardo su di voi e vi doni la sua Pace.

Neste fim de semana a liturgia nos convida a celebrar o mistério da oração e sua importância em nossas vidas.

Um dos discípulos pediu a Jesus que lhes ensinasse a rezar. E Ele lhes ensinou o Pai Nosso e depois lhes fez um discurso sobre a importância da oração.

O Pai Nosso é sem dúvidas, a melhor oração que temos pois nos foi entregue pelo próprio Deus que se fez carne. Às vezes me assusto quando algumas pessoas, ainda que com muito boa intenção, atribuem poderes quase mágicos a outras orações e colocam em segundo lugar a oração do Pai Nosso. Não digo que não tenhamos belíssimas orações, muitas delas feitas por santos, e que nos ajudam a rezar melhor, mas nenhuma se pode comparar àquela que Jesus nos deu.

Nos dizia santa Tereza D´Ávila, que quem quisesse fazer uma hora de boa oração, bastaria usar este tempo para rezar um Pai Nosso, meditando suas palavras, e isto seria já suficiente. Seguramente esta é uma mulher que aprendeu a rezar com Jesus.

O Pai Nosso é um oração completa. Ali damos glória a Deus, não porque Ele tenha necessidade de nossos louvores, mas porque para nós é fundamental reconhecer a sua glória a fim que possamos descobrir quem somos e até onde devemos ir. No Pai Nosso nos abrimos a ação de Deus e expressamos nossa confiança em sua graça. Dizer “faça-se a tua vontade” é muito comprometedor, mas é o único caminho para nossa real felicidade. Dentro deste “faça-se”, lhe apresentamos nossas necessidades: o pão quotidiano; o perdão; a proteção. Mas depois de nos dar esta maravilhosa oração, Jesus insististe muito sobre a importância de rezar.

O tema central de seu discurso é a perseverança. Nossa oração deve ser perseverante. Devemos fazê-la com insistência. Não basta dizer: já lhe pedi uma vez, agora só me resta esperar. É na constância da oração, que reside a sua eficácia. O exemplo que nos dá Jesus, falando do homem que durante a madrugada insiste com seu vizinho até que lhe atenda, se não por amizade, ao menos para não ser mais incomodado, é muito claro. Também nós devemos pedir e pedir, chamar e chamar até que o Senhor nos escute.

Contudo, é importante ter claro que existem três classes de coisas que podemos pedir a Deus:

a) coisas que colaboram para nossa salvação, para nosso crescimento como pessoas;

b) coisas que são indiferentes para a vida em Deus, mas que nos ajudam a ser mais felizes em certas situações;

c) e outras que, ainda que não nos demos conta, nos farão danos ou ao menos colocarão em perigo a nossa salvação.

Com respeito às primeiras, poderemos dizer que Deus é o primeiro interessado em nossa salvação. Este é o presente que ele mais nos quer dar e não negará a ninguém que o peça.

Com relação as segundas, dependerão de nossa insistência, das motivações que tenhamos. Do modo como pedimos. Do quanto realmente são importantes para nós. (Como um pai de família sente prazer em presentear seu filho, em alguma oportunidade especial, alguma coisa que ele sabe que o filho deseja muito porque pede com freqüência, ainda que não seja essencial para sua vida, assim também Deus faz conosco.)

Mas se nós lhe pedimos uma coisa que não nos fará bem, ou que nos pode fazer dano, é natural que ele não nos conceda, ainda que passemos toda a vida insistindo. Deus é nosso pai e quer acima de tudo nos proteger e defender. Assim como os pais se negam a ceder aos caprichos de uma criança pequena que pede lhes uma faca afiada, ainda que lhes peça com lágrimas, também a nós, porque nos ama, Deus algumas vezes nos atende.

Mas não nos esqueçamos, rezar não é somente fazer uma lista de pedidos. É também agradecer, reconhecer os benefícios, conhecer tudo o que Deus já fez e louvá-lo. Oração é acima de tudo um diálogo, não é um monólogo. Devemos estar também dispostos a escutar a Deus, a contemplá-lo, a deixar-nos tocar por ele.

A oração deve se transformar em nossa vida como uma “respiração de amor”.

O Senhor vos abençoe e vos guarde,

O Senhor vos mostre sua face e tenha misericórdia de vós.

O Senhor volte o seu olhar carinhoso e vos dê a PAZ.

Videos

Testimonios

Pedidos de Oración

Actividades Conventuales